MUNDO

Países mais pobres são os que mais dão refúgio a imigrantes, diz ONU

"O mundo enfrenta não só uma crise de números, mas de cooperação e solidariedade."

01/03/2017 19:00 -03 | Atualizado 01/03/2017 19:02 -03
Omar Sanadiki / Reuters
Mais da metade dos novos refugiados no mundo no primeiro semestre de 2016 vieram do conflito na Síria

Um estudo feito pela Agência das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur) diz que o maior número de pessoas que fogem de conflitos e guerras acaba conseguindo abrigo, não nas nações desenvolvidas, mas em países mais pobres.

O documento, divulgado na terça-feira (28), mostra que a maioria das 3,2 milhões de pessoas forçadas a fugir de suas casas no ano passado encontrou refúgio em nações de baixa e média rendas. As informações são da ONU News.

"Os países que mais recebem pessoas deslocadas são os mais pobres", frisou o alto comissário da ONU para Refugiados, Filippo Grandi. Segundo Grandi, atualmente o mundo "enfrenta não só uma crise de números, mas de cooperação e solidariedade".

O alto comissário explicou que mais da metade dos novos refugiados no mundo no primeiro semestre de 2016 vieram do conflito na Síria. A maioria ficou pela região do Oriente Médio mesmo, dividida entre Turquia, Jordânia, Líbano e Egito.

Segundo o relatório do Acnur, outros refugiados fugiram de conflitos no Iraque, Burundi, Sudão do Sul, na República Centro-Africana, República Democrática do Congo, Eritreia e Somália.

O Líbano e a Jordânia são os países que abrigam a maior quantidade de refugiados, em comparação ao tamanho de suas populações, explicou a agência da ONU.

Já em termos econômicos, os países que sofrem o maior peso dos imigrantes são o Chade e o Sudão do Sul.

Ela quer ajudar os refugiados com desenhos