MULHERES

'Minha essência é de mulher', diz jogadora de vôlei trans e brasileira do vôlei italiano

Acusada de "desequilibrar" o vôlei feminino na Itália, a transexual Tifanny Abreu rebateu as críticas.

27/02/2017 19:07 -03 | Atualizado 27/02/2017 19:14 -03
Reprodução/Twitter
Tifanny é a primeira transexual brasileira a receber autorização da Fivb para jogar entre as mulheres.

Acusada de "desequilibrar" o vôlei feminino na Itália, a transexual brasileira Tifanny Abreu, que atua pelo Golem Software Palmi, da segunda divisão, rebateu as críticas que tem sofrido e garantiu que seu desempenho não é influenciado pelo fato de ter nascido homem.

Com 32 anos de idade, a atleta mudou de sexo em 2014, mas continuou jogando por clubes masculinos até o início de 2017, enquanto terminava seu tratamento hormonal.

No último fim de semana, após ter recebido autorização da Federação Internacional de Vôlei (Fivb), estreou pelo Palmi e foi destaque na vitória por 3 sets a 1 sobre o Delta Informatica Trentino.

Após o jogo, Emanuele Catania, diretor do Millenium Brescia, que enfrentará o clube de Tifanny em março, ironizou que iria ao Brasil "pegar três trans" para atuar em seu time. "O presidente do Brescia pode ir aonde quiser, o importante é que contrate três que saibam jogar", disse a brasileira.

"Não se joga bem vôlei só porque se é uma trans. Conta sobretudo o talento, é preciso saber jogar. Minha essência é de mulher: eu mudei para mim, e o vôlei é meu trabalho", acrescentou. Nas últimas horas, Tifanny ganhou o apoio do presidente do Comitê Olímpico Italiano (Coni), Giovanni Malagò.

"Se os elementos foram verificados, acredito que não apenas não se deve falar no assunto, mas é preciso pedir desculpas à atleta", ressaltou o cartola. Tifanny é a primeira transexual brasileira a receber autorização da Fivb para jogar entre as mulheres.

Leia mais notícias em ANSA

10 momentos históricos da luta LGBT