MULHERES

Cantor Victor Chaves, da dupla Victor & Léo, é acusado de agredir sua esposa

Segundo a polícia, Poliana Bagantini, de 29 anos, que está grávida do cantor, foi jogada ao chão e agredida com chutes.

24/02/2017 18:41 -03 | Atualizado 24/02/2017 19:51 -03
Reprodução/Instagram

A assessoria de imprensa da Polícia Civil de Belo Horizonte confirmou ao HuffPost Brasil que, na manhã desta sexta-feira (24), Poliana Bagatini, 29 anos, mulher do cantor Victor Chaves, da dupla Victor e Léo, procurou a delegacia para registrar denúncia de agressão cometida pelo marido.

Grávida de oito meses, Poliana foi encaminhada para a Delegacia da Mulher da cidade. Ao chegar no local, o registro da ocorrência foi aberto e ela recebeu um guia para realizar o exame de corpo e delito.

Porém, Poliana deixou o local antes de fazer o exame e outras etapas do processo. O caso agora segue sob investigação. De acordo com a assessoria, a polícia vai procurar o cantor e as testemunhas.

A denúncia

Poliana Bagatini acusou o marido de jogá-la no chão e agredi-la com chutes.

De acordo com informações do jornal local O Tempo, a briga teria ocorrido no apartamento do casal e ela foi impedida de deixar o local, até que recebeu ajuda de uma vizinha que ouviu os gritos.

Poliana também teria relatado que vinha recebendo ameaças por parte da irmã do cantor.

Nas redes sociais, Victor Chaves apareceu como um dos termos mais comentados no Twitter.

Os usuários demonstraram comentaram a denúncia sobre o cantor, que é um dos jurado do "The Voice Kids".

Poliana tem uma filha de 1 ano com o cantor, e em janeiro o casal anunciou a segunda gravidez da empresária.

Procurada pelo jornal O Tempo e pelo HuffPost Brasil, a assessoria de comunicação da dupla sertaneja Victor e Léo não se posicionou sobre o ocorrido.

Não silencie!

"Foi só um empurrãozinho", "Ele só estava irritado com alguma coisa do trabalho e descontou em mim", "Já levei um tapa, mas faz parte do relacionamento". Você já disse alguma dessas frases ou já ouviu alguma mulher dizer? Por medo ou vergonha, muitas mulheres que sofrem algum tipo de violência, seja física, sexual ou psicológica, continuam caladas.

Desde 2005, a Central de Atendimento à Mulher, o Ligue 180, funciona em todo o Brasil e auxilia mulheres em situação de violência 24 horas por dia, sete dias por semana. O próximo passo é procurar uma Delegacia da Mulher ou Delegacia de Defesa da Mulher. O Instituto Patrícia Galvão, referência na defesa da mulher, tem uma página completa com endereços no Brasil. Clique aqui.

Ni Una A Menos: Argentina contra a violência de gênero