ENTRETENIMENTO

De-ver-cidade: 9 passos para viver a diversidade de São Paulo

Conteúdo patrocinado por O Boticário.

15/02/2017 18:41 -02 | Atualizado 08/03/2017 19:02 -03

Como nas grandes metrópoles do planeta, o melhor da capital paulista aparece apenas no subterrâneo. Para cada lugar hype há outros que ainda não surgiram na superfície.

Na lista a seguir, as dicas vão de aprender a ser DJ até meditar no Copan. Ainda tem os trilhos abandonados de uma antiga linha de trem que virou espaço cultural e as festas tropicais e brasileiríssimas - Calefação e Tarado Ni Você -, para ficar somente em duas. Não gosta de nada disso? E se então a sugestão for partir para um espaço que redescobriu no jazz um ritmo para ir além de admirar os músicos?

Divirta-se!

1. Toda mina pode ser DJ

Divulgação

A DJ Miria Alves quer usar a cultura hip hop para que as meninas comecem a dominar as picapes. O projeto de oficinas TPM (Todas Podem Mixar) é mais próximo entre um curso que não é - e jamais poderia ser - chato. Música, mão na massa e muita remixagem. Todo mundo ganha quando mais pessoas desenvolvem seu lado artístico, certo?

Quando: 8 de março, 19h

Onde: Disjuntor - Mooca - Rua da Mooca - Mooca, São Paulo

Contato: (11) 2291-2120

2. Música no Vão do Masp

Divulgação

Quando a arquiteta Lina Bo Bardi desenhou o Museu de Arte de São Paulo, o MASP, a ideia era justamente que o vão na Avenida Paulista fosse usado como espaço vivo na cidade. Com um certo atraso - o prédio é de 1947 -, a proposta da arquiteta passa a valer. O projeto Música no Vão ocupa o espaço com shows - sempre gratuitos - de bandas e artistas nacionais. Discotecagem e gastronomia também estão no horizonte do projeto. Neste fevereiro carnavalesco quem aparece por lá é A Espetacular Charanga do França (dia 23) e Felipe S, vocalista da banda Mombojó, no dia 30.

Quando: Dias 23 e 30 de março, a partir das 18h

Onde: Vão do MASP – Avenida Paulista, 1578

3. MAOÊ! Aproveite antes que acabe

Reprodução

O apresentador e empresário Silvio Santos é um mito. Poucos brasileiros conseguiram ser tão populares e donos do respeito das mais diversas idades e classes sociais quanto ele. Então, atenção: A exposição "Silvio Santos vem aí!", totalmente inédita e criada especialmente para a exibição no Museu da Imagem e do Som (MIS), encerra as visitas no dia 12 de março. Ou seja: O período do Carnaval pode ser uma ótima ideia para visitar o mundo do ícone da televisão brasileira sem filas nem correria. A mostra reúne itens de acervo pessoal, depoimentos, fotos e vídeos. Como as exposições anteriores do MIS, a ideia é criar uma experiência imersiva para os visitantes. O "patrão" agradece.

Onde: MIS - Museu da Imagem e do Som de São Paulo. Avenida Europa, 158, Jardim Europa

Quanto: R$ 30 e R$ 15 (meia-entrada)

4. Um lindo lugar "francês" para dançar ao som de Caetano

Divulgação

O Tarado Ni Você por si já uma atração e tanto. Mas se ele vier acompanhado de um espaço completamente novo? O La Maison Renault, que inicia as atividades dia 18 de fevereiro, tem como proposta juntar música, cinema, moda, design e gastronomia em um único espaço - são grandiosos 800 metros quadrados. O bloquinho que faz releituras da obra de Caetano Veloso vai estar lá já no segundo dia de atividade. A gastronomia da noite fica por conta do Aconchego Carioca e uma seleção de comida de boteco preparado pela chef Kátia Barbosa. Aos sábados a programação gratuita da Maison conta com o projeto Cinema Silencioso em duas sessões (11 e 13h30) e shows do Sofar Sounds (15h30).

Quando: 19 de fevereiro, 18h

Onde: Rua Oscar Freire, 1010-1072, Jardins

5. Calefação Tropicaos até o sol nascer

Arte Calefação Tropicaos

Se você gosta de festa e nunca esteve na Calefação Tropicaos talvez você não goste tanto assim de festa. Em um circuito competitivo como São Paulo, a festa sobreviveu e muito bem, obrigado. Já são quase 7 anos de vida e nenhum sinal de cansaço ou ruga prestes a nascer. A Calefação é o resultado da parceria do casal Pita Uchoa, recifense, radicado em São Paulo desde 2006, e Carol Malinovski, curitibana. A coisa que surgiu "sem querer", do hiato da festa Voodoohop, criada pelo alemão Thomas Haferlach, com quem Pita morava sete anos atrás. Bem, nem precisa dizer que a música brasileira é o prato principal servido na Calefação, né? E, olha, passado um certo tempo e ele ainda vem saboroso.

Onde: Festa itinerante. Consulte os eventos do Facebook!

6. Dançar dentro do vagão em alguma festa Nos Trilhos

Divulgação

O que podemos fazer com uma antiga ferrovia e uma "Maria Fumaça"? Transformá-lo num dos pontos mais concorridos para festas de todos dos tipos em São Paulo. Nos Trilhos é um espaço cultural que virou o alvo preferencial de algumas das melhores festanças paulistanas. O lado mais legal disso tudo é o quando o local passou a ser frequentado por muita gente que nunca havia pisado na Mooca antes. E o quanto a coisa tornou-se democrática. Em março o espaço recebe as tradicionais Indie Party, mas também a Conexão nos Trilhos, com funk e samba. Isso sem contar os blocos "Sai, Hétero" e "Góticas Suave". Mais democrático é impossível.

Onde: Rua Visconde De Parnaíba, 1253, Mooca

Quando: Todos os finais de semana. Escolha sua festa.

7. Tem jazz na pista

Reprodução

Por algum tempo não foi nada comum ir para uma festa ou uma balada de jazz, certo? A coisa era sempre formal demais, com músicos excelentes, é verdade, mas um público mais interessado no completo silêncio e em ouvir cada acorde do que curtir. A Jazz-It-Up é o contrário. O projeto idealizado por Alex Trusty ( JAZZY/ SUBmission) pensa justamente no contrário: fazer do jazz uma bela trilha sonora para as quartas-feiras do Bar de Cima. A ideia é: cada convidado de Thiago Duar (Afrobombas/ Guizado) fica responsável por criar as músicas a partir de um tema escolhido. O resultado é imprevisível, do jeitinho que o jazz sempre foi e será. Além da música ao vivo, o DJ-Trusty Sp também faz a parte dele comandando a pickups da festa.

Onde: Bar De Cima, naRua Oscar Freire, 1128, Jardins

8. Sexualidade, Toulouse-Lautrec e o Masp

Reprodução

Essa vale anotar na agenda. É que o Masp recebe neste ano duas mostras paralelas que merecem atenção. A primeira é a retrospectiva do francês Henri de Toulouse-Lautrec, que reunirá as 11 obras do pintor do acervo do Masp e outras que virão de diversos museus espalhados pelo planeta. Toulouse-Lautrec ficou famoso por tocar em temas considerados tabu, como a intimidade de profissionais do sexo e também a homossexualidade. É capaz que você conhece o trabalho dele pelas tradicionais propaganda de cabarés, incluindo aí o ultrafamoso Moulin Rouge.

Em paralelo, o Masp tem como carro-chefe para este ano a mostra Histórias da sexualidade, que começa em outubro e se estende até 2018. Nesta segunda fase entram os trabalhos de brasileiros e estrangeiros. Está confirmada a participação de Teresinha Soares, com obra calcada no corpo e no desejo feminino, como a escultura Caixa de fazer amor (1967).

Onde: MASP – Avenida Paulista, 1578

Quando: A partir de junho

9. Seja a monja (ou o monge) do Copan

Reprodução

Ok, aqui é o exato oposto de uma festa. O que não quer dizer que seja menos libertador. E se você tentasse meditar com os monges budistas do Templo Busshinji no heliponto do Copan? A única condição pedida pelos monges é que você dê uma passada na sede, na Liberdade. A questão é que eles precisam controlar o fluxo de gente e a concorrência é grande, já que são apenas dez vagas. A meditação no topo do Copan acontece sempre nas terceiras sextas-feiras do mês.

Onde: Avenida Ipiranga, 200, 7h, Centro.