VOZES

'Vai ter branca de turbante, sim': Jovem com câncer retruca advertência de ativista negra

Em Curitiba, Thauane Cordeiro defendeu seu direito de usar o adereço.

10/02/2017 21:52 BRST | Atualizado 16/02/2017 17:46 BRST
Montagem/Facebook
Jovem com câncer foi abordada para retirar o turbante.

O turbante é muito mais que um item de moda. Para mulheres negras, é considerado um símbolo de identidade e luta.

As africanas utilizavam-no para se proteger do sol e, segundo suas crenças, preservar os pensamentos. No Brasil, as negras escravizadas usavam-no para cuidar dos cabelos.

Na Bahia do século 20, as mães de santo reverenciavam a ancestralidade.

Para ativistas do Movimento Negro, quando brancos utilizam turbantes, ocorre a chamada apropriação cultural.

Eles argumentam que há o "uso indevido de elementos de outras culturas por pessoas brancas", como escreveu o militante Leopoldo Duarte.

Quando não-brancos apontamos apropriação fazemos valer a nossa memória. Identificando um padrão recorrente nas interações entre europeus — e seus descendentes — e o resto do mundo: a erradicação dos proprietários originais em benefício ($) exclusivo da branquitude dominante.Leopoldo Duarte, na Revista Forum

As nuances dos indivíduos e as histórias pessoais de cada um mostram, entretanto, que o que pode parecer apropriação cultural à primeira vista pode ser também um instrumento de empoderamento.

Foi o que aconteceu com a jovem Thauane Cordeiro, moradora de Curitiba (PR).

Há cerca de um mês, ela foi diagnosticada com leucemia mielóide aguda.

Devido ao forte tratamento, está careca.

Diante da nova - e dura - realidade e do novo visual, começou a vestir o turbante. Sentiu-se mais bonita.

Ao sair às ruas, começou a enfrentar olhares de reprovação. Até que, em uma estação de transporte, foi parada por uma jovem que a repreendeu.

Eu comecei a reparar que tinha bastantes mulheres negras, lindas aliás, que tavam me olhando torto, tipo 'olha lá a branquinha se apropriando da nossa cultura'. Enfim, veio uma falar comigo e dizer que eu não deveria usar turbante porque eu era branca. Tirei o turbante e falei: 'tá vendo essa careca, isso se chama câncer, então eu uso o que eu quero! Adeus'.Thauane Cordeiro, no Facebook

Ela utilizou a tag #VaiTerBrancaDeTurbanteSim. Aqui está o depoimento completo:

Muita gente aplaudiu a atitude de Thauane. Outros estão criticando.

Qual é a sua opinião? Deixe nos comentários.

ATUALIZAÇÃO:

Diferente do que foi informado no texto acima, em entrevista á GloboNews, na tarde desta quinta-feira (16), Thauane Cordeiro disse que descobriu há cinco meses que sofre de leucemia. Ela também informou que estava no metrô de São Paulo no momento em que foi abordada.