MUNDO

Trump mostra 'verdadeira' face dos EUA, diz líder supremo do Irã

Clima entre EUA e Irã está tenso desde posse de novo presidente

08/02/2017 08:35 -02 | Atualizado 08/02/2017 08:50 -02
Shannon Stapleton / Reuters

Após as trocas de acusações entre os presidentes dos Estados Unidos, Donald Trump, e do Irã,Hassan Rohani, foi a vez do líder supremo iraniano, o aiatolá Ali Khamenei, criticar o governo do norte-americano.

"Agradecemos a ele [Trump] por mostrar a verdadeira face dos Estados Unidos. Nós falamos sobre a corrupção política, econômica, moral e social no sistema dominante dos EUA por mais de 30 anos, mas agora chegou esse homem e durante e após as eleições, aberta e claramente, revelou tudo", ironizou Khamenei perante uma plateia de comandantes da Força Naval do país.

Mantendo o tom sarcástico, o aiatolá falou sobre o veto do governo Trump aos cidadãos do país - impedidos de viajar aos EUA - destacando que "agora, tudo o que ele está fazendo, como algemar uma criança de cinco anos em um aeroporto, está mostrando a realidade dos direitos humanos norte-americanos".

O Irã é um dos sete países, de maioria muçulmana, afetados por uma ordem executiva do republicano que impede que cidadãos de viajarem ao território norte-americano pelos próximos 90 dias.

Segundo Trump, há o risco de "terroristas" entrarem no país. No entanto, a Justiça dos EUA revogou temporariamente a medida e o presidente afirmou que pode ir até a Suprema Corte para manter sua ordem.

Khamenei ainda usou uma das ameaças do republicano em seu discurso. "Trump disse 'tenham medo de mim' e eu respondo 'não'.

A nação iraniana vai responder com uma manifestação no dia 10 de fevereiro [dia da Revolução] e mostrará que tipo de comportamento toma perante às ameaças", afirmou.

Seguindo as críticas ao presidente, ele usou mais uma das frases postadas no Twitter por Trump, de que o Irã deveria "agradecer" o ex-presidente Barack Obama pelo "bondoso" acordo nuclear, assinado em julho do ano passado, com outras potências ocidentais.

"O neo-presidente norte-americano disse que deveríamos ser gratos a Obama. Por que? Devemos ser gratos a ele pelo Isis [Estado Islâmico]? Por ter aberto fogo contra o Iraque e a Síria ou pelo seu apoio aberto pelas desordens no Irã em 2009? Foi Obama quem provocou as sanções paralisantes para a nação iraniana", ressaltou o aiatolá.

Desde que anunciou a proibição na entrada de iranianos nos EUA, os dois países voltaram a entrar em "guerra" publicamente. Um teste de míssil no Irã foi um "motivo" para Trump anunciar novas sanções contra Teerã, ao que o governo do país irá reagir "em breve".

Síria

Para causar ainda mais tensão, o presidente da Síria, Bashar al-Assad, aproveitou o momento para elogiar algumas das medidas de Trump contra o terrorismo. Síria e Irã são antigos rivais e ambos os governos trocam acusações sistêmicas de patrocinar - através de dinheiro e municiamento - os terroristas que atuam na região.

Segundo Assad, que sempre foi considerado um ditador pelo governo Obama, as declarações do republicano "são encorajadoras" e que a possível nova coalizão contra os terroristas formadas por Rússia e EUA "será positiva para o resto do mundo".

"As declarações que ouvimos de Trump durante a campanha eleitoral e depois são promissoras no propósito de prioridade no combate aos terroristas, sobretudo o Isis, que é o que nós pedimos nos últimos seis anos", disse Assad à agência de notícias oficial do país, Sana. No entanto, o mandatário ressaltou que "ainda é cedo" para julgar o comportamento norte-americano.

Durante o governo Obama, EUA e Europa formaram uma coalizão para derrotar o terrorismo no Iraque e na Síria e sempre exigiram a renúncia de Assad para poder encontrar uma via diplomática para a paz.

Já a Rússia sempre apoiou o presidente sírio e disse ser Assad uma das peças-chave para levar paz ao país após mais de seis anos de conflito civil. Com Trump, há a espera para saber qual será a postura da nova administração na questão, já que EUA e Rússia sempre foram rivais históricos.

Os protestos contra decreto de Trump sobre imigrantes