LGBT

O desabafo de jovem soropositivo: 'Cansei de me esconder como se fosse criminoso'

Geovanni Henrique conta que sofre preconceito mesmo entre gays.

08/02/2017 18:16 -02 | Atualizado 09/02/2017 10:20 -02
Montagem/Facebook
Geovanni Henrique contou da dificuldade de ser soropositivo entre gays

"Ninguém nasceu pra ser preso."

Essa é a principal mensagem do jovem goiano Geovanni Henrique, que saiu pela segunda vez do armário no fim de janeiro.

O morador de Caxias do Sul (RS) decidiu compartilhar no Facebook as dificuldades que um homem soropositivo sofre no meio gay.

"A gente tem que ficar se escondendo como se fosse criminoso. Tudo no sigilo, parece que voltei pra dentro do armário novamente", diz o rapaz, que até então nunca sabia ao certo como se portar ao conhecer alguém interessante.

"Se você diz antes [que tem HIV], as pessoas correm ou, se diz depois, as pessoas te cobram porque não havia dito antes e por sequência, correm também alegando ter mentido", conta. "As pessoas pedem tanto pela verdade, mas não sabem lidar quando a ouvem."

Geovanni reclama de ter recebido o rótulo de "aidético", incorretamente associado a pessoas que contraíram o HIV.

Ainda mais no 'meio' gay, onde tanto pedem por igualdade, na primeira oportunidade já estão lá, te apontado como o 'aidético'. Não são só os GLS, mas eles são as pessoas com quem tenho mais contato.Geovanni Henrique, via Facebook

Para o rapaz, é importante desconstruir o preconceito sobre ser HIV positivo e, claro, prevenir a transmissão do vírus:

"Então, antes de ir pro sexo com um cara gostoso, se proteja, pra depois não passar pelo mesmo constrangimento que a gente passa, de ter que ficar se escondendo. Ninguém nasceu pra ser preso. Se a pessoa se cuida e faz o tratamento correto, ela tem uma vida normal, não transmite doença a ninguém. Conheço pessoas com HIV mais saudáveis que pessoas com a sorologia negativa."

Leia o relato completo:

HIV: Nudez contra o Preconceito