MUNDO

Protestos contra Donald Trump marcam final do Super Bowl

New England Patriots vence Atlanta Falcons e ganha 5º título do Super Bowl.

06/02/2017 10:02 -02 | Atualizado 06/02/2017 10:13 -02
Trish Badger / Reuters
Atos contra Trump na final do Super Bowl ocorrem no Discovery Green Park

Em um jogo histórico decidido pela primeira vez na prorrogação, o New England Patriots venceu o Atlanta Falcons e ganhou o seu quinto título do Super Bowl, o maior e mais lucrativo evento esportivo dos Estados Unidos que aconteceu neste domingo (6) em Houston.

A partida foi marcada por uma reviravolta impressionante, já que o Patriots, time comandado pelo técnico Bill Belichick e pelo quarterback Tom Brady, o marido da super modelo Gisele Bündchen, começou perdendo.

No início do jogo, o time, aliás, estava perdendo por um placar de 28 a 3 para o Falcons. No entanto, em um feito considerado quase impossível até pelos próprios fãs, o Patriots conseguiu empatar a partida e, na prorrogação, vencer por 34 a 28.

A vitória do time de Brady foi embalada pela apresentação da cantora Lady Gaga, que foi a atração deste ano do show do intervalo do Super Bowl, um dos espaços mais concorridos para os artistas. O tempo, aliás, é o mais caro da televisão norte-americana.

No seu grande espetáculo, repleto de fogos de artifício, efeitos especiais, belos figurinos e muita dança, Lady Gaga cantou vários de seus hits, como "Telephone", "Poker Face", "Million Reasons", "Born This Way", "Just Dance" e, por fim, "Bad Romance", que encerrou sua participação.

A partida também foi marcada por protestos ao presidente norte-americano, Donald Trump. Já na tarde do domingo, cerca de 500 pessoas, segundo a polícia local, se reuniram e caminharam até a arena NRG, onde aconteceu o evento esportivo, em uma marcha com cartazes e gritos de ordem contra o mandatário republicano.

Por sua vez, o magnata parabenizou, em seu Twitter, o Patriots pela "maravilhosa" partida, em particular Brady que, durante a campanha do milionário, se disse a favor do candidato mais de uma vez.

Leia mais notícias na ANSA