NOTÍCIAS

'Não defendemos o fim, mas a desmilitarização da Polícia Militar', explica Marcelo Freixo

Onda de violência no Espírito Santo reacendeu o debate sobre tornar a polícia uma instituição civil.

06/02/2017 20:57 -02 | Atualizado 06/02/2017 21:43 -02
Flickr Vision
Marcelo Freixo: "Defender a desmilitarização é lutar por uma política de segurança mais eficaz, justa e humana"

A onda de violência que atinge a Grande Vitória, no Espírito Santo, reacendeu o debate sobre a desmilitarização da polícia. O protesto dos políciais militares que deixaram de fazer o patrulhamento culminou com o registro recorde de homicídios desde sábado.

Favorável à desmilitarização da PM, o deputado estaudal Marcelo Freixo (PSol-RJ) aproveitou para explicar que tirar a polícia do guarda-chuva das Forças Armadas é diferente de pedir o fim da polícia. "Desmilitarizar a PM é transformá-la numa instituição civil", defende.

Segundo ele, defender a desmilitarizção é lutar por uma política de segurança mais eficaz, justa e humana.

Com a desmilitarização, os recrutas não serão submetidos a treinamentos violentos e a maus tratos, eles terão seus direitos respeitados e serão preparados para respeitar os direitos dos cidadãos; os policiais terão liberdade para se expressar e exigir condições dignas de trabalho; os profissionais não serão mais submetidos à Justiça Militar e a punições descabidas, como prisão por atraso; abusos de autoridade, tão comuns à hierarquia militar, não serão permitidos. Com a desmilitarização ganham os PMs e a sociedade, que terá uma polícia treinada não para a guerra, mas para a proteção dos direitos e promoção da cidadania.

No Twitter, a proposta divide opiniões.

Força Nacional

Para conter a violência, o Ministério da Justiça autorizou a ida de 200 homens da Força Nacional para a capital. "Diante da grave situação de segurança pública com a paralisação de policiais militares, o emprego das Forças Armadas atende ao pedido do governador em exercício, César Roberto Colnago, encaminhado à Presidência da República, que autorizou a atuação dos militares", diz a nota do ministério. A expectativa é que os militares cheguem ainda nesta segunda-feira (6).

Desafios da segurança pública no Brasil