MULHERES

Topless na praia vira caso de Justiça na Argentina

Mulheres vão organizar um 'Tetazo' para protestar contra repressão nas praias.

05/02/2017 10:04 -02 | Atualizado 05/02/2017 10:27 -02

O topless virou tema para a Justiça na Argentina. Após uma patrulha policial proibir três mulheres de exibirem os seios em uma praia no fim de semana passado, cidadãos argentinos se revoltaram contra a medida, convocaram uma marcha chamada "Tetazo" e abriram um processo judicial.

O debate gira em torno da liberdade individual, dos direitos femininos e das acusações de provocação sexual com cunho pornográfico. No sábado (28), um grupo de policiais pediu para três mulheres pararem de fazer topless na praia de Necochea.

A abordagem dividiu o público da praia, sendo que parte dos banhistas criticou a ação, mas outra parte apoiou os agentes de polícia e hostilizou as mulheres que estavam com os seios à mostra.

O caso foi levado à Justiça e analisado pelo magistrado Mario Juliano, do Tribunal Criminal 1. Apesar de arquivar o processo por "falta de relevância", o juiz escreveu um texto, em primeira pessoa, publicado em jornais locais, defendendo as mulheres.

A defesa irrestrita das liberdades me leva a tomar uma posição a favor das mulheres que decidiram descobrir seus seios.juiz Mario Juliano, do Tribunal Criminal 1 da Argentina

"Não queremos que episódios assim se repitam. Devemos melhorar este tipo de comportamento e promover uma convivência pacífica", afirmou, por sua vez, a secretária de Desenvolvimento Humano de Necochea, Jimena López, propondo a criação de uma zona exclusiva para topless.

Segundo López, os policiais interpretaram o topless como uma "contravenção por exposição de órgãos genitais". "Mas esta é uma interpretação subjetiva, pois as mamas não são consideradas como órgãos genitais", ressaltou.

O debate tomou a imprensa argentina nos últimos dias e incentivoua marcha "Tetazo", marcada para a próxima terça-feira (7), em frente ao Obelisco de Buenos Aires.

O escândalo na praia argentina, porém, não foi o primeiro. No ano passado, uma mãe que amamentava em uma via pública foi obrigada a deixar o local, após abordagem policial.

A lei sobre "exibição obscena" na Argentina foi redigida em 1973, é mencionada no Código Penal e cita uma proibição a amamentação em via pública.

Uma pesquisa recente publicada na Argentina constatou que 1 a cada 3 homens se disse "incomodado" ao ver uma mulher amamentando na rua.

Na contramão, o papa Francisco, nascido na Argentina, pediu no dia 8 de janeiro que as mulheres amamentem seus filhos em público, em uma tentativa de desatar o cunha sexual dos seios.

"Vocês sabem que a cerimônia é um pouco longa e alguns bebês podem chorar de fome. Se isso acontecer, vocês, mamães, podem alimentá-los sem medo, com normalidade, como Nossa Senhora", disse o Papa, durante uma missa de batismo dentro da Capela Sistina, no Vaticano.

Leia mais notícias em ANSA

Amamentar é lindo