MUNDO

Papa se encontra com movimento social fundado no Brasil

Pontífice criticou capitalismo e a idolatria pelo dinheiro.

05/02/2017 08:57 -02 | Atualizado 05/02/2017 09:01 -02
Pacific Press via Getty Images
Papa Francisco critica sonegação de impostos e evasão de divisas

O papa Francisco voltou a criticar o capitalismo e os crimes financeiros neste sábado (4) durante um encontro com 1,1 mil pessoas pessoas que promovem a "Economia da Comunhão" (EdC), movimento criado no Brasil.

"Quando o capitalismo torna a busca pelo lucro sua única finalidade, corre o risco de virar uma estrutura de idolatria, uma forma de culto. O 'deus da sorte' tem sido cada vez mais a nova divindidade de uma certa finança e de todo o sistema que está destruindo milhões de famílias no mundo", disse o líder católico.

"O dinheiro é importante, sobretudo quando não não temos ele, e dele dependem a comida, a escola, o futuro dos filhos. Mas ele vira ídolo quando se torna a principal finalidade", argumentou.

Francisco também criticou a sonegação de impostos e evasão de divisas, alegando que esses crimes, além de atos ilegais, "negam a lei fundamental da vida: o socorro recíproco".

"O capilitano conhece a filantropia, mas não a comunhão. Na lógica do Evangelho, se não se doa tudo, não se doou o suficiente", ressaltou.

A EdC é uma filosofia de modelo de negócios que prega o fim das injustiças sociais. O movimento surgiu em 1991, fundado pela italiana Chiara Lubich, que ficou impressionada com a desigualdade social durante uma viagem ao Brasil.

Em maio de 1991, Lubich convidou empreendedores a criarem empresas que, seguindo as regras do mercado, servivessem ao bem comum nas comunidades da capital paulista.

Leia mais notícias em ANSA

Visita do Papa à América Latina