NOTÍCIAS

Doria sobre empresariado: 'Não devo favor a ninguém'

O prefeito de São Paulo garante que convence o setor privado a fazer doações com apenas um telefonema e afirma que "dever favor é coisa do PT".

05/02/2017 19:48 -02 | Atualizado 05/02/2017 20:09 -02
Reprodução/Twitter

O prefeito de São Paulo João Doria completou um mês à frente da gestão da capital e já recebeu muitos aplausos, mas também conquistou outros tantos desafetos diante das medidas implementadas até então.

Programas como o Corujão da Saúde, e ações como o aumento da velocidade nas marginais, a questão do combate ao picho e até mesmo as aparições do prefeito "varrendo" a cidade geraram comentários dos cidadãos.

No último sábado (4), Doria aproveitou para esclarecer algumas dúvidas dos ouvintes durante uma entrevista na rádio CBN em São Paulo.

Na conversa, o prefeito falou sobre novas medidas que serão adotadas no Carnaval, como o limite para 20 mil pessoas em blocos de regiões tradicionais da festa, a exemplo da Vila Madalena.

Ainda, afirmou que achou "ridícula" a colocação de um ouvinte, que questionou como o prefeito acreditava ter "credencial para definir o que é picho ou arte", em referência ao apagamento dos murais na Avenida 23 de Maio.

Outro ponto levantado pela repórter da CBN Fabíola Cidral faz referência a proximidade da gestão de Doria com o empresariado.

Questionado pela jornalista sobre qual a técnica utilizada pelo prefeito para garantir as doações do setor privado, Doria não hesitou: "Eu telefono e convenço".

Para ele, a parceria com o setor privado é essencial, visto que o orçamento da cidade não garante a realização de todas medidas necessárias para a melhoria de vida da população.

"São mais de 80 empresas atuando em vários setores. O que eu tenho dito a eles: Sejam solidários com a cidade. São Paulo tem um orçamento limitado. Eu tenho feito um apelo a essas empresas: Olha, sem nenhuma contrapartida, São Paulo é o maior mercado de consumo de tudo que o vocês fazem. Em telefonia, em construção civil, em materiais de consumo. Tá na hora de vocês devolverem um pouco para a cidade."

Questionado pela CBN se a gestão não temia "ter o rabo preso" com estas empresas parceiras, Doria assegurou que não há contrapartidas nos contratos e que tudo está sendo feito de maneira transparente.

Quem deve favor é o PT. Comigo não funciona assim. Nós estamos dando toda a transparência. Condenável seria fazer e não dizer quem está fazendo. As empresas estão fazendo isso porque querem fazer. Eu não devo favor a ninguém. Elas estão ajudando a cidade e as pessoas deveriam agradecer por isso.João Doria