ENTRETENIMENTO

Para além da gravidez de Beyoncé: 5 novos fotógrafos africanos que você precisa conhecer

Uma lista de profissionais com trabalhos focados no protagonismo negro

04/02/2017 13:53 -02 | Atualizado 05/02/2017 22:31 -02

Se você esteve conectado à internet nesta semana, já sabe que Beyoncé anunciou sua nova gestação, agora de gêmeos, via Instagram. Deve saber também que, em menos de 24 horas, a imagem postada ultrapassou a marca de 8 milhões de likes, tornado-se a foto mais curtida na história da rede social.

Uma foto publicada por Beyoncé (@beyonce) em

Poucas horas depois da publicação da imagem, Beyoncé liberou em seu site o ensaio fotográfico de gestante completo. Nas imagens de cores vivas, ela aparece ora ao lado da filha Blue Ivy, de 5 anos, ora cercada por flores e também embaixo d'água.

O recorde de curtidas no Instagram, porém, não significou unanimidade. Nas redes sociais, muitas pessoas desaprovaram o ensaio da cantora, tachando-o de "brega."

No entanto, essas críticas desprezam o valor estético e carga simbólica – diretamente ligado à cultura e identidade negra – que as imagens carregam. Para a realização do ensaio, Beyoncé convocou o fotógrafo etíope Awol Erikzu.

Uma foto publicada por 🗡🖤 (@awolerizku) em

Erikzu nasceu no país africano, mas cresceu no bairro do Bronx, em Nova York. Aos 29 anos, ele formação em fotografia pela NYC's Cooper Union e em artes pela Yale - uma das melhores universidades do mundo.

Uma foto publicada por 🗡🖤 (@awolerizku) em

O artista, que hoje reside em Los Angeles, explora em sua obra: cores, símbolos e estéticas distantes do eurocentrismo e diretamente influenciados pela cultura negra – tanto dos EUA quanto do continente africano.

Um de seus trabalhos mais engajados dentro dessa discussão de igualdade racial nas artes traz releituras de pinturas clássicas protagonizadas por modelos negros.

Awol Erikzu

Para quem gostou do resultado do ensaio conceitual de Beyoncé, aqui vai uma boa notícia: não faltam novos nomes de origem africana, prestigiados no mundo da fotografia e das artes plásticas, que exploram essas e outras estéticas com propriedade.

A seguir, você acompanha uma breve lista com grandes fotógrafos africanos da atualidade. E para quem não gostou das fotos de Queen Bey, aqui também vai uma boa notícia: eis a chance de expandir o olhar sobre arte fora dos padrões europeus.

Leonce Raphael Agbodjelou

Uma foto publicada por Tony Ola (@tonyola_007) em

Leonce Raphael Agbodjelou é um dos fotógrafos mais celebrados de Benin, situado na região ocidental da África. Nascido na capital do país, Porto Novo, em 1965, ele teve o olhar treinado pelo pai, Joseph Moise Agbodjelou, fotógrafo de renome mundial morto em 2000. Seu trabalho gira em torno do registro dos cidadãos de Porto Velho e propõe novas interpretações de uma geração cercada por tradição e progresso.

Ike Udé

Uma foto publicada por Iké Udé (@ikeude) em

Nascido na cidade nigeriana de Lagos, em 1964, Iké Udé vive e trabalha em Nova York desde a década de 1980. Fotógrafo e artista performático, ele é conhecido e por seus retratos conceituais que exploram questões ligadas à estilo, identidade e construção visual de gênero.

Omar Victor Diop

Omar Victor Diop nasceu em Dakar, capital do Senegal, em 1980. O interesse por fotografia na infância o impulsionou a ser hoje um dos grandes nomes da cena de seu país. O trabalho de Diop transita pela fotografia de moda, belas artes e publicidade – e tem como foco principal o registro e valorização da diversidade das sociedades africanas modernas.

Atong Atem

Atong Atem é uma artista que atualmente vive e trabalha em Melbourne, na Austrália. Nascida no Sudão, ela migrou de continente com a familia como refugiada quando tinha apenas 6 anos. Seu trabalho explora questões como colonialismo, raça, gênero e identidade por meio da fotografia, desenho e técnicas mistas.

Kudzanai Churai

Uma foto publicada por SUTTON (@sutton) em

Nascido em 1981 no Zimbábue, Kudzanai Churai foi o primeiro aluno negro a se formar em Belas Artes na Universidade de Pretoria, na África do Sul - onde reside atualmente. Com obras provocativas e questionadoras, Churai explora em seu trabalho questões relacionadas a identidade, exílio, xenofobia e outras questões sociais.

Álbum da família Carter