POLÍTICA

Eike, do satay de frango do Mr Lam ao arroz com feijão e refresco de Bangu

"Como é bom você ter caviar", dizia o empresário em 2011.

31/01/2017 17:52 -02 | Atualizado 01/02/2017 09:37 -02
Ueslei Marcelino / Reuters

Boa parte da população brasileira nunca se viu tão melhor que o empresário Eike Batista quanto nos últimos dias. Eike viu sua fortuna desmoronar, foi preso e está se adaptando a uma nova rotina. Saiu do satay de frango, seu prato preferido, no Mr Lam para o arroz, com feijão, carne e refresco de Bangu.

Preso na segunda-feira (30), Eike divide a cela com outros seis presos da Operação Lava Jato que não tem curso superior. Segundo informações do G1, a cela tem 15 metros quadrados e quatro beliches. O banho é com água fria que sai de um cano e não tem vaso sanitário, mas um buraco no chão.

Eike esteve foragido, mas foi preso assim que voltou de Nova York. A prisão dele foi decretada na última quinta-feira (26), depois que delatores da Operação Lava Jato afirmaram que ele pagou US$ 16,5 milhões de propina para o ex-governador Sérgio Cabral, também preso.

Guia do sucesso

Sérgio Cabral foi uma das celebridades que em 2011 presenciaram o lançamento do livro de Eike, no qual ele dá conselhos a empreendedores. Na ocasião, Eike não escondeu seus fracassos e deu conselhos para lidar com falhas.

"Assuma o erro e aja corretamente com quem foi afetado por ele. É o primeiro passo para o êxito futuro", afirmou na época.

Com o País em crise, Eike adotava um tom otimista. "O mundo continua querendo comprar. E o que a gente exporta, o mundo precisa. O melhor minério do mundo está aqui, por exemplo. Os australianos, para aumentar a produção, têm que comprar minério brasileiro e misturar. Como é bom você ter caviar", disse no lançamento do livro O X da Questão: a Trajetória do Maior Empreendedor do Brasil.

Alguns conselhos do próprio Eike poderiam ser úteis neste momento. Na chegada em Bangu, Eike foi hostilizado pelos moradores da região. Aos jovens empreenderes, ele diz que é preciso exercitar paciência, relevar ofensas e "muitas vezes é preciso deixar o coração em casa antes de tomar uma resolução".

Eike tem se defendido das acusações. Ele disse acreditar que não errou e que era pressionado pelos políticos. O mesmo discurso foi adotado por empresários como Marcelo Odebrecht.

Nesta terça-feira (31), a ex-modelo Luma de Oliveira reforçou este discurso. No Instagram, ela disse que o ex-marido "fez muitos investimentos no nosso país com recursos próprios. Infelizmente parece que os empresários ficaram acuados por pseudos governantes. Lamentável".

Ao dar apoio ao ex-marido, Luma afirmou ter esperança de que tudo acabará bem.

Carros de Eike Batista vão parar na garagem da PF