MULHERES

Holanda quer lançar fundo internacional para aborto seguro

28/01/2017 11:06 -02 | Atualizado 31/01/2017 18:21 -02
Pacific Press via Getty Images
UL WIEJSKA, WARSAW, POLAND - 2016/10/23: Women held protest against Polish abortion laws at the parliament (Sejm) who are part of the ´black protest´movement. (Photo by Maddeleine Lenz/Pacific Press/LightRocket via Getty Images)

Em resposta à medida de Donald Trump – que passou a proibir o governo dos Estados Unidos de repassar verba a instituições de planejamento familiar pró-aborto – a Holanda está propondo a criação de um fundo internacional que viabilize a prática do aborto seguro. A proposta foi lançada por Lilianne Ploumen, ministra holandesa do Comércio Externo, Desenvolvimento e Cooperação.

“Nós estamos conversando com cerca de 15 a 20 países e também com fundações. Além da conexão com uma série de países europeus, com os quais nós já trabalhamos essa questão, também estamos em contato com países da América do Sul e da África, bem como com fundações. É importante que o incentivo para o fundo seja o mais amplo possível”, disse a ministra ao The Guardian.

lilianne ploumen

Ela não revelou o nome dos países, nem quanto dinheiro a Holanda colocará no fundo, mas disse que o mais importante é cobrir o rombo de 600 milhões de dólares que os EUA deixarão de repassar a instituições de planejamento familiar, tais como a United Nations Population Fund (UNPFA), a International Planned Parenthood Federation e a Marie Stopes International.

“Esses programas são bem sucedidos e efetivos. Eles dão apoio direto, distribuindo preservativos, garantindo que as mulheres sejam acompanhadas no parto e garantindo que o aborto seja feito de maneira segura quando não há outra alternativa”, explica.

LEIA MAIS:

- Falar de aborto é falar da vida de mulheres

- 1 em cada 5 mulheres até 40 anos já abortou no Brasil. Católicas e evangélicas são maioria