NOTÍCIAS

Eike também viajou a Nova York quando foi alvo da PF em 2008

28/01/2017 11:38 -02 | Atualizado 31/01/2017 18:21 -02
Reprodução/Rede Globo

Não foi a primeira vez que agentes da Polícia Federal (PF) bateram à porta do empresário Eike Batista e descobriram que ele estava em uma viagem ao exterior. Em julho de 2008, ele foi alvo de mandados de busca e apreensão (mas não de prisão preventiva, como agora) em sua residência na operação Toque de Midas, que investigava fraudes na licitação da Estrada de Ferro do Amapá, que fora concedida à MMX, a mineradora do grupo EBX. Na ocasião, a PF abriu um procedimento para apurar um possível vazamento de informações com base em dois fatos — advogados da EBX foram à Justiça buscar informações sobre o caso uma semana antes da deflagração e Eike se encontrava em Nova York na data que os agentes saíram às ruas.

Quase nove anos depois, Eike voltou a ser alvo da Polícia Federal, desta vez pela acusação de ter pagado propina ao ex-governador Sérgio Cabral na Operação Eficiência, um desdobramento da Lava Jato no Rio. E ele novamente estava em Nova York, para onde teria viajado na última terça-feira. A PF já o considera como foragido e incluiu o seu nome na lista de difusão vermelha da Interpol. E mais uma vez informou que irá apurar o vazamento de informações.

Em relação ao caso de 2008, a PF acabou prendendo o diretor-executivo do órgão Romero Menezes sob a suspeita de ser o autor dos vazamentos. Depois, ele foi liberado.

Mais um ponto em comum entre as duas investigações. O então vice-diretor da MMX, Flávio Godinho, também foi alvo de buscas e – olha só – ele também estava nos Estados Unidos, mais precisamente em Miami. Nesta quinta-feira, o ex-executivo da EBX que hoje era vice-presidente de futebol do Flamengo não teve tanta “sorte”e foi detido na Eficiência, acusado de envolvimento na ocultação de propina que era paga pelas empreiteiras a Sérgio Cabral.

Outros processos

Eike Batista também já é réu em uma ação penal que tramita na Justiça Federal do Rio de Janeiro por crimes contra o mercado de capitais. Segundo a denúncia que é originária do Ministério Público Federal de São Paulo, ele é acusado de manipulação de mercado e uso de informação privilegiada na negociação de ações da OSX, sua empresa de construção naval. Em outro processo, Eike foi absolvido dos crimes de formação de quadrilha, falsidade ideológica e crimes contra a economia, em março de 2016.

Por esses e outros casos, o empresário já teve os bens bloqueados pela Justiça em pelo menos duas ocasiões, o que contribuiu para a desidratação da sua fortuna que já foi uma das maiores do país. O último bloqueio às suas contas foi decretado pela Justiça das Ilhas Cayman no valor de 63 milhões de dólares. A informação data de outubro do ano passado, mas foi divulgada nesta terça-feira.

LEIA MAIS:

- Sete magnatas brasileiros alvos da Lava Jato

- Polícia Federal investiga ida de Eike a Nova York na véspera de prisão