NOTÍCIAS

Verdades e boatos: O que se sabe da investigação da morte de Teori

23/01/2017 21:50 -02 | Atualizado 23/01/2017 21:50 -02
ANDRESSA ANHOLETE via Getty Images
Brazil's Supreme Federal Court (STF) Minister Teori Zavascki is depicted during the March 31, 2016 session in Brasilia. Zavascki, rapporteur in the Petrobras scandal for the STF, was among the passengers of the twin-engine Beechcraft King Air C-90 light aircraft that crashed near Paraty, state of Rio de Janeiro, Brazil, on January 19, 2017, his son Prehn Zavascki said. / AFP / Andressa Anholete (Photo credit should read ANDRESSA ANHOLETE/AFP/Getty Images)

Então relator dos processos relativos à Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro Teori Zavascki morreu na última quinta-feira (19), vítima de um acidente com um avião em Paraty (RJ).

Desde então, a Aeronáutica, a Polícia Federal e o Ministério Público Federal (MPF) tem investigado as causas da queda. Nesse meio tempo, também surgiram boatos diversos sobre o caso.

Confira o que já se sabe sobre a morte de Teori.

1. Gravações

A Aeronáutica informou que "em uma análise preliminar" os dados extraídos do gravador de voz do avião "não apontam qualquer anormalidade nos sistemas da aeronave", de acordo com nota divulgada nesta terça-feira (24).

Segundo a Folha de São Paulo, o piloto diz no voo que vai esperar a chuva diminuir antes de pousar. Pouco depois, a gravação teria sido interrompida, segundo análises preliminares.

A Força Aérea Brasileira (FAB) extraiu todo o conteúdo do gravador de voz da aeronave. A gravação está totalmente preservada e irá passar por um tratamento para retirar ruídos. Em seguida, irá para análise de peritos.

O equipamento registra diálogos do piloto na cabine do avião com outros passageiros ou com o controle de tráfego aéreo, nos últimos 30 minutos do voo.

2. O voo

A região de Paraty foi atingida por uma forte tempestade na noite de quarta (18). Chovia bastante no momento do acidente, segundo imagens de radar.

O bimotor King Air C-90, de fabricação americana com prefixo PR-SOM, saiu do Campo de Marte, em São Paulo, às 13h01.

De acordo com a Infraero, a queda ocorreu por volta das 13h45, quando a aeronave estava a 4 km de distância da pista do aeroporto da cidade fluminense.

O piloto,Osmar Rodrigues, de 56 anos, era conhecido por ser cuidadoso e chegou a dar palestra para outros pilotos sobre como fazer a rota São Paulo-Paraty.

3. Fotos do avião

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) informou que a documentação da aeronave estava regular, com inspeção da manutenção válida até abril de 2017.

O site Jet Photos, banco de imagem de aeronaves, indica que uma foto do modelo King Air C90 foi acessada quase duas mil vezes no início de janeiro, número superior à média dos dias anteriores. O site não indica deslocamentos da aeronave.

A FlighRadar24, empresa dona do JetPhotos.net, disse ao G1 que o número elevado de acessos pode ter sido causado por uma falha no contador de visualizações.

4. A região

A região já foi cenário de outros acidentes. O caso de maior repercussão no litoral sul do Estado do Rio foi em 1992, quando o helicóptero que transportava o deputado Ulysses Guimarães caiu no mar próximo a Angra dos Reis.

Em 2001, próximo a Maresias, no litoral norte paulista, caiu o helicóptero que transportava o empresário João Paulo Diniz, do grupo Pão de Açúcar. No mesmo ano, o cantor e compositor Herbert Vianna também foi vítima de um acidente próxima a Angra dos Reis.

Já em 2014, o candidato do PSB à presidência da República, Eduardo Campos, morreu quando o avião em que viajava caiu em Santos, no litoral de São Paulo.

5. Ameaças

Em maio de 2016, o filho de Teori, Francisco Prehn Zavascki, escreveu em seu perfil no Facebook que havia "movimentos dos mais variados tipos para frear a Lava Jato".

Em entrevista ao Fantástico divulgada neste domingo (22), Francisco afirmou que o pai recebia ameaças constantes e pediu a abertura de inquérito da Polícia Federal para investigar os casos.

Um dia após o acidente, o filho do ministro disse ainda que "seria muito ruim para o País ter um ministro do Supremo assassinado".

6. Sargento

Uma mensagem compartilhada no Whatsapp diz que um suposto sargento teria orientado o piloto do avião, em conversa por rádio, a descer a uma altura não recomendável que teria causado o acidente.

A Aeronáutica desmentiu a informação. "Não existe militar com esse nome na equipe de serviço responsável por aquela área de controle, nem havia qualquer comunicação com o piloto da aeronave matrícula PR-SOM durante a aproximação para o pouso em Paraty, porque o aeródromo não possui órgão de controle de tráfego aéreo”, disse o órgão, em nota.

LEIA TAMBÉM

- A escolha de Cármen: Quem será o novo relator da Lava Jato no STF?

- Processo sobre descriminalização de drogas no STF aguardava voto de Teori

- Cármen Lúcia deve homologar delação da Odebrecht logo, defende OAB