MUNDO

O início da 'Era Trump': Donald Trump toma posse como 45º presidente dos EUA

20/01/2017 11:53 -02 | Atualizado 20/01/2017 11:53 -02
Mike Segar / Reuters
U.S. President-elect Donald Trump addresses the "Make America Great Again! Welcome Celebration" at the Lincoln Memorial in Washington, U.S., January 19, 2017. REUTERS/Mike Segar - T TPX IMAGES OF THE DAY

O republicano Donald Trump assumirá o cargo de presidente dos Estados Unidos nesta sexta-feira (20), tornando-se o 45º mandatário eleito da história da nação.

Após uma polêmica e conturbada campanha eleitoral contra Hillary Clinton, Trump sagrou-se vencedor com os votos do chamado Colégio Eleitoral, que definem o novo presidente. Na questão dos votos populares, foi a democrata quem venceu, com 2,8 milhões de votos a mais.

A partir de hoje, no entanto, o "comandante em chefe" norte-americano assumirá a maior potência econômica e militar mundial com a promessa de mudar o país. Desde que começou sua campanha e iniciou a montagem de seu governo, Trump anunciou que tentará "acabar" com o legado de Barack Obama, especialmente no que tange à questão da saúde e das relações internacionais.

Ações de Trump

No primeiro campo, o magnata anunciou que acabará com o chamado "Obamacare", o projeto de saúde implantado por Obama e que levou 20 milhões de pessoas a terem plano de saúde no país, e que "implantará" outro plano "ainda melhor".

No segundo, Trump promete uma aproximação à rival histórica Rússia - que foi acusada de ajudar o republicano a se eleger por órgãos norte-americanos - e a fazer revisão do descongelamento das relações diplomáticas com Cuba. Trump ainda promete uma linha dura contra os imigrantes, especialmente mexicanos e muçulmanos, e jura que levará adiante o projeto de construir um muro na fronteira com o México.

Na posse desta sexta, ao contrário do opulento estilo de Trump, a cerimônia deve ser mais "simples". Isso porque dezenas de artistas boicotaram o tradicional show da posse por não concordarem com as polêmicas opiniões do republicano. Além disso, políticos e empresários também anunciaram um boicote à cerimônia.

A segurança de Washington também foi reforçada, já que teme-se que a polarização do país possa provocar confrontos entre grupos pró e contra o novo presidente.

Os dados oficiais apontam que cerca de 900 mil pessoas devem ir à capital norte-americana para festejar a Presidência do republicano - metade do que compareceu à posse de Obama em 2009.

O cronograma oficial aponta o juramento de Trump às 15h (horário de Brasília) no Capitólio e depois fará o tradicional desfile em carro aberto até a Casa Branca. A previsão é que esse percurso demore cerca de uma hora e meia. À noite, ele deve comparecer, ao lado da esposa Melania, a três bailes de gala oficiais.

Além disso, segundo pesquisas realizadas pelo jornal The Washington Post e pela rede ABC, Trump assumirá o cargo com a maior rejeição dos últimos 40 anos. Cerca de 54% dos entrevistas afirmou que não aprovam o republicano no cargo.

População prepara protestos

Momentos de tensão foram registrados durante a noite de ontem e madrugada de hoje em frente ao National Press Club de Washington, onde Trump participava de um concerto musical.

Um grupo de manifestantes contra o futuro mandatário começou uma briga com defensores de Trump e uma pessoa ficou ferida. A polícia interveio na situação e conseguiu acalmar os ânimos.

LEIA MAIS:

- 5 motivos pelos quais Donald Trump será o próximo presidente dos Estados Unidos

- 'Coco', nova animação Disney-Pixar, será 'carta de amor ao México' em plena era Trump