NOTÍCIAS

Apresentador que chamou Ludmilla de 'macaca' ao vivo é demitido da RecordTV

18/01/2017 15:18 -02
Divulgação/Instagram

"É uma coisa que não dá para entender. Era pobre e macaca. Mas pobre pobre mesmo”

A frase foi dita por Marcão do Povo, apresentador da versão brasiliense do programa Balanço Geral da RecordTV ao se referir à cantora Ludmilla. Após a repercussão do caso, na tarde desta quarta-feira (18), a emissora anunciou a demissão dele.

Em nota enviada à imprensa na tarde desta quarta-feira (18), a emissora repudia a conduta do apresentador e diz que providências já foram tomadas:

"A Record TV vem a público lamentar os transtornos causados à cantora Ludmilla, sua família e seus fãs motivados por um comentário feito pelo apresentador Marcão no Balanço Geral DF. A Emissora repudia qualquer ato dessa natureza e afirma que este tipo de conduta não está na linha editorial de nosso Jornalismo. Por este motivo, a Record TV Brasília optou por rescindir o contrato do apresentador Marcão."

Segundo o Correio Braziliense, Ludmilla vai entrar com pedido de prisão do apresentador na Justiça. O empresário da cantora, Alexandre Baptestini, disse à reportagem que a mãe dela ligou para ele chorando muito. "Tem que acabar com isso no Brasil".

O caso ganhou repercussão desde a noite de ontem, terça-feira (17) e causou indignação. A hashtag #ProcessaLudmila, até o momento da publicação desta nota, chegou ao topo dos Trending Toppics do Twitter.

Na noite de ontem, terça-feira (17), Ludmilla publicou o trecho do programa em que o apresentador a ofende em seu Instagram. Junto com as imagens, ela escreveu um texto em que lamenta as afirmações dele e aproveitou para fazer dar uma aula sobre a importância de combater a discriminação e o racismo.

Ela escreveu:

"Infelizmente, ainda existem pessoas que não compreendem que a discriminação racial é crime e alguns, ainda usam o espaço na mídia para noticiar mentiras ao meu respeito, ofender, menosprezar e propagar todo o seu ódio. Não deixaremos impune tais atos, trata se de um desrespeito absurdo, vergonhoso."

E completa:

"Fica evidente que esse cidadão não possui nenhum pudor ou constrangimento em ofender alguém em rede nacional. Como já foi dito por Paulo Autran, “todo preconceito é feito da ignorância”, visto que os racistas não possuem um conhecimento de moralidade, tratando sua própria cor de pele como superior e única. Isso tem que ser combatido e farei a minha parte, quantas vezes for necessário."

Infelizmente, ainda existem pessoas que não compreendem que a discriminação racial é crime e alguns, ainda usam o espaço na mídia para noticiar mentiras ao meu respeito, ofender, menosprezar e propagar todo o seu odio. Não deixaremos impune tais atos, trata se de um desrespeito absurdo, vergonhoso. Fica evidente que esse cidadão @marcaoapresentadortv não possui nenhum pudor ou constrangimento em ofender alguém em rede nacional. Como já foi dito por Paulo Autran, “todo preconceito é feito da ignorância”, visto que os racistas não possuem um conhecimento de moralidade, tratando sua própria cor de pele como superior e única. Isso tem que ser combatido e farei a minha parte, quantas vezes for necessário.

A video posted by Ludmilla (@ludmilla) on


A afirmação do apresentador foi feita durante o quadro “A Hora da Venenosa”, no momento em que apresentadora Sabrinna Albert contava como a cantora faz para evitar fotos com os fãs. Segundo Sabrinna, Ludmilla combina com os garçons para dizer que ela está resfriada e por isso os fãs não podem se aproximar dela.

A reação de Marcão ao ouvir o comentário foi dizer que "isso é uma coisa que não dá para entender", que a cantora “era pobre e macaca”.

Assista ao vídeo:

À redação do NaTelinha, por meio da assessoria de imprensa, o apresentador afirmou que a afirmação foi divulgada fora de contexto.

“Como é público e notório, eu sou de uma cidade do interior do Tocantins, aonde cresci e desenvolvi diversos costumes, dentre os quais alguns vícios de linguagem. A expressão citada pela reportagem é uma delas: em nenhum momento quis ofender a cantora por sua cor. O termo 'macaco' é utilizado no Centro-Oeste sem teor pejorativo. Por exemplo: é bastante comum ver pessoas dizendo que 'fulano é macaco velho', pois já tem certa vivência em determinada coisa. É a mesma situação presente no vídeo, com a simples mudança do adjetivo que acompanha o termo. A acusação de racismo não procede. Minha carreira é marcada por respeito a todos, independente de cor, raça, credo ou qualquer outra coisa.”

A manifestação do racismo

A cantora já foi vítima de racismo outras vezes. Em um dos casos, a apresentadora Val Machiori disse que o cabelo de Ludmilla parecia "bombril". Em outro momento, Ludmilla foi chamada de "crioula" e "macaca" por um de seus seguidores.

O crime de injúria racial está previsto no artigo 140, parágrafo 3 do Código Penal e consiste em "ofender a honra de alguém com a utilização de elementos referentes à raça, cor, etnia, religião ou origem". A acusação por injúria permite fiança e tem pena de no máximo oito anos, embora não costume passar dos três anos.

Já o crime de racismo, previsto na Lei 7.716/89, não prescreve e não há direito à fiança. Para ser enquadrado neste crime a pessoa tem de menosprezar a raça de alguém, seja por impedindo o acesso a determinado local ou negando emprego baseado na raça da pessoa, por exemplo. A pena incluem multa e prisão, que varia de caso a caso.

LEIA TAMBÉM:

- 'The Voice Kids'. O racismo na internet. E as palavras de Milton Nascimento

- Por que a indicação e a premiação de atores negros no Globo de Ouro é importante

- 7 provas de que a briga Azealia Banks x Brasil é mais séria do que parece