NOTÍCIAS

Doria dedica plantio de pau-brasil a Lula: 'Maior cara de pau do Brasil'

14/01/2017 19:03 -02 | Atualizado 14/01/2017 19:03 -02

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), alfinetou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva durante a terceira ação do Cidade Linda, programa de zeladoria de sua gestão, que ocorreu neste sábado (14).

Doria limpou pichações na Avenida 23 de Maio e plantou mudas de árvores.

Enquanto realizava a operação, dedicou o plantio ao ex-presidente chamando-o de "o maior cara de pau do Brasil".

"Essa é uma muda de pau-brasil. Vou dedicar o plantio dessa muda ao Lula, Luís Inácio Lula da Silva, o maior cara de pau do Brasil. Presente para você, Lula."

A declaração foi divulgada pelo prefeito em sua página no Facebook.

Grafites dos Arcos do Jânio com os dias contados

Também durante a operação deste sábado, Doria afirmou que vai apagar todos os grafites na área conhecida como Arcos de Jânio.

Erguidos no centro da cidade no início do século passado, os Arcos de Jânio são considerados patrimônio histórico. O local ganhou visibilidade no final dos anos 1980, quando o então prefeito Jânio Quadros mandou demolir um cortiço que ficava sobre a estrutura.

Desde então, virou alvo de constantes pichações.

Em 2015, a gestão do prefeito Fernando Haddad (PT) autorização a realização de grafites na estrutura. Um processo de restauração foi iniciado em novembro do ano passado. A prefeitura estimava que a reforma iria custar R$ 650 mil e durar seis meses.

De acordo com o jornal O Estado de São Paulo, durante a operação realizada na zona sul, Doria apagou pichações de um mureta da Avenida 23 de maio e voltou a declarar repúdio aos pichadores. Na sequência, afirmou que vai limitar as obras de grafiteiros e muralistas espalhadas pela avenida.

"Os grafites serão mantidos em oito espaços já definidos previamente pela Secretaria de Cultura. Os demais, que já estão envelhecidos ou infelizmente foram mutilados por pichadores, serão pintados."

Ao ser questionado sobre os Arcos do Jânio, o prefeito afirmou que apagar o mural pintado no espaço. "Ali tem um projeto que vai ser feito, mas não haverá mais grafite", disse.

Em 2015, um grafite do artista Rafael Hayashi gerou polêmico e virou alvo de pichações. O desenho lembrava o ex-presidente da Venezuela Hugo Chávez, morto em 2013.

Segundo a Folha de S. Paulo, em resposta às acusações de que estaria homenageando Chávez, afirmou que a ideia era apenas "retratar um homem negro".

Durante o ato, João Doria voltou a falar sobre "grafitódromo", espaço destinado aos murais e paineis na cidade.

O local de instalação do projeto ainda não foi definido. De acordo com o prefeito, a área terá lojas de itens licenciados para viabializar as atividades será inspirada em "um bairro de Miami Beach".

LEIA MAIS:

- Depois de se vestir de gari, Doria desiste de lutar pessoalmente contra mosquitos em São Paulo

- A posse de João Doria, o discurso de 'trabalhador' e a polarização destrutiva