MULHERES

Natalie Portman ganhou três vezes menos que Ashton Kutcher para fazer o mesmo filme

12/01/2017 13:06 -02
Mike Blake / Reuters
Actress Natalie Portman arrives at the 74th Annual Golden Globe Awards in Beverly Hills, California, U.S., January 8, 2017. REUTERS/Mike Blake

Natalie Portman falou abertamente sobre o enorme 'gap' salarial entre atores e atrizes. Em entrevista à revista Marie Claire do Reino Unido, Portman afirmou que ganhou três vezes menos que seu parceiro de filmagem Ashton Kutcher no filme "Sexo sem compromisso", lançado em 2011.

"Eu sabia e deixei isso acontecer porque existem 'cotas' em Hollywood", revelou a atriz à revista.

"A cota dele era três vezes maior que a minha. Então, eles disseram que ele deveria ganhar três vezes mais. Eu não fiquei brava como eu deveria ter ficado. Digo, a gente ganha muito dinheiro, então é difícil reclamar, mas a disparidade é gritante."

Ela diz que em Hollywood, a disparidade salarial entre atores e atrizes é ainda mais gritante do que em outras profissões. "Em comparação a um homem, na maioria das profissões, mulheres ganham 80 centavos de dólar. Em Hollywood, nós ganhamos 30 centavos de dólar."

Tanta disparidade nos salários não tem a ver com a capacidade, mas sim com um grande preconceito e falta de oportunidades para as mulheres, segundo Portman.

"Eu não acredito que mulheres e homens são mais ou menos capazes. Nós mulheres temos apenas um grande problema de oportunidades. Nós precisamos fazer parte da solução, e não perpetuando este problema."

Formada em Harvard, Portman tem 35 anos e já ganhou Oscar de melhor atriz pela atuação em Cisne Negro, em 2011.

A declaração da atriz segue um movimento iniciado por Jennifer Lawrence, que publicou o artigo "Por que eu ganho menos que colegas homens?" para a newsletter Lenny. Nele, ela conta que ganhou um cachê bem menor que os colegas masculinos com quem protagonizou o filme "Trapaça".

A crítica veio depois que foram vazadas informações salariais de trocas de e-mails da diretoria da Sony. "Quando o vazamento da Sony aconteceu e eu descobri o quanto menos eu estava sendo paga do que as pessoas, que por sorte têm pintos, eu não fiquei brava com a Sony. Eu tenho raiva de mim mesma. Eu falhei porque eu desisti cedo."

LEIA MAIS:

- Atrás do Iêmen e Arábia Saudita, Brasil está entre os 15 países com maior disparidade salarial entre homens e mulheres

- A razão pela qual Meryl Streep quase desistiu de 'O Diabo Veste Prada