NOTÍCIAS

OUÇA: Secretário da Juventude de Temer defende mais chacinas em cadeia

06/01/2017 23:02 BRST | Atualizado 06/01/2017 23:02 BRST
Naiara Pontes/SG

Secretário Nacional de Juventude, Bruno Júlio tentou desmentir entrevista concedida ao HuffPost Brasil e ao jornal O Globo, na qual ele diz que "tinha era que matar mais, tinha que fazer uma chacina por semana”, em referência ao massacre em Manaus.

À Folha de S.Paulo, ele afirmou que a opinião foi “deturpada”. "Eu não disse a questão da chacina, óbvio que não disse”, disse.

Ouça a seguir o áudio do secretário:

O caos nos presídios da região Norte começou no dia 1º. Metade da população carcerária é composta por jovens e o assunto ainda não foi tratado na secretaria.

Leia a transcrição do trecho da entrevista da qual foi retirado o áudio acima:

“Eu sou meio coxinha sobre isso. Sou filho de polícia, né? Tinha era que matar mais. Tinha que fazer uma chacina por semana. Isso que me deixa triste. Olha a repercussão que esse negócio que o presídio teve e ninguém está importando com as meninas que foram mortas em Campinas. Elas que não têm nada a ver com nada que se explodam. Os santinhos que estavam lá dentro, que estupraram e mataram: coitadinhos, oh meu deus, não fizeram nada. Para, gente! Esse politicamente correto que está virando o Brasil está ficando muito chato. Obviamente que tem de investigar, tem que ver.

Trabalhei na Subsecretaria de Administração Prisional (Suapi) com jovens reeducando, tem muita gente que consegue mudar de vida, principalmente em uma modalidade lá de Minas, chamada APAC, que é um pouco mais humanizado, funciona um pouco melhor. A proposta do ministro Alexandre (de Moraes, da Justiça) de separar os presos… não dá para o líder da PCC ficar na mesma cela de quem roubou um carro. O tratamento tem que ser diferente. Tem jeito.

A Dilma reduziu em 85% a verba do sistema penitenciário. Eu acho que o presidente errou. Isso não foi um acidente. É a mesma coisa, se eu mudo reduzo o investimento em manutenção de um carro, por exemplo, uma hora vai dar errado. Estoura um pneu, quebra uma direção, não foi acidente. É acidente porque é inesperado, mas sabia-se que isso ia acontecer. Foi como em Belo Horizonte, coloca cimento de quinta categoria em uma viaduto e quer não caia?”

Bruno defendeu a necessidade de investigações e disse que, no momento, a secretaria “infelizmente” não pode ajudar. Ele, no entanto, destacou que há um plano sendo desenhado para dar suportes aos jovens.

Na conversa com o HuffPost Brasil e o jornal O Globo, ele falou sobre os projetos em andamento na pasta. Para 2017, a prioridade é quebrar o monopólio da União Nacional dos Estudantes sobre emissão das carteirinhas estudantis e divulgar o IDJovem.

Leia entrevista completa aqui.

LEIA TAMBÉM

- Penitenciária com 33 mortes em Roraima tinha superlotação e esgoto a céu aberto

- Projeto de lei de Serra para aumentar punição para menores de idade ganha força

- 'Acidente pavoroso': Twitter não perdoa frase de Temer sobre massacre em Manaus