MUNDO

Crime de ódio em Chicago, com tortura a homem com problemas mentais, é exibido ao vivo no Facebook

05/01/2017 20:14 -02 | Atualizado 05/01/2017 20:14 -02

Quatro pessoas torturaram um homem e exibiram as cenas em um ao vivo no Facebook, em Chicago, nos Estados Unidos. De acordo com as autoridades locais, o homem que aparece nas imagens tem deficiência mental e foi sequestrado e encontrado depois que a gravação foi publicada desorientado vestindo apenas short em uma temperatura congelante.

O vídeo de 28 minutos, classificado pela polícia de "doentio", viralizou. Nas imagens, o homem aparece sendo xingado, tem o cabelo cortado com uma faca até que o couro cabeludo é machucado e é agredido com socos e pontapés.

Enquanto uma mulher faz as imagens, os outros três jovens pedem para que a vítima beije o chão e xingam o presidente eleito dos Estados Unidos Donald Trump e as pessoas brancas.


Os quatro agressores são negros e a vítima é um homem branco. De acordo com informações do Washingotn Post, eles foram denunciados por crime de ódio e sequestro. Ainda segundo a publicação, não está claro se o crime foi categorizado como de ódio pela raça das pessoas envolvidas ou pela deficiência mental da vítima. Os dois se aplicam na classificação.

Na tarde desta quinta-feira (5), a polícia de Chicago publicou no Twitter imagens dos suspeitos. São eles: Jordan Hill, de 18 anos; Tesfaye Cooper, 18; Brittany Covington, 18; e Tanishia Covington, 24.

À publicação americana, o superintendente de polícia do estado Eddie Johnson condenou a ação dos suspeitos e as imagens.

"É doentio. Faz você se perguntar o que faria os indivíduos tratar alguém assim. (…) Ainda me espanta como você ainda vê coisas que você simplesmente não deveria. Eu não vou dizer que me chocou, mas foi doentio."

A rede de notícias CNN ressaltou que o vídeo foi destaque no Twitter. Na rede, os usuários questionaram se havia ligação com o movimento Black Lives Matter. O movimento desmentiu. “Isso é ódio e ódio não tem cor”, disse o policial de Chicago Dimitri Roberts.

LEIA TAMBÉM:

- Os atentados do dia a dia que ficam escondidos e silenciados

- Até quando? Índio morre após ser brutalmente espancado em Belo Horizonte

- ASSISTA: Aos 15 anos, ela fez um discurso BRILHANTE sobre islamofobia