MULHERES

Machismo que mata: Mulher não resiste a ataque em noite do Réveillon

03/01/2017 09:56 -02 | Atualizado 03/01/2017 09:56 -02
Reprodução / Facebook

Vítima do ex-companheiro, Renata Rodrigues Aureliano, de 29 anos, não resistiu e morreu na madrugada desta segunda-feira (2), no Hospital Bom Pastor, em Varginha (MG), após ter o corpo queimado. Ela sofreu falência múltipla dos órgãos.

Jéferson Diego Caetano da Costa, de 26 anos, procurou Renata na madrugada do Ano Novo, quando voltava para casa, em Campestre, no sul do estado, após uma festa na praça Brasil, no centro da cidade.

Ele teria ateado fogo nela com um galão de gasolina comprado em um posto de combustível. A vítima chegou a correr para casa em busca de socorro e um dos dois filhos do casal, de 9 anos, assistiu à cena. Renata foi levada para o hospital por familiares.

O casal estava separado há quatro meses, de acordo com parentes da vítima. Na noite do crime, ela teria encontrado o ex-companheiro por acaso em um bar onde foi comprar refrigerante antes de ir comemorar a virada do ano. Os dois teriam discutido no local.

Lutador de MMA e com histórico de ocorrências policiais, Jéferson foi preso em flagrante e levado ao presídio de Poços de Caldas, onde responderá por homicídio qualificado por motivo torpe, com agravante de feminicídio, de acordo com o jornal O Tempo.

Renata já havia registrado um boletim de ocorrência por ameaças do ex-companheiro. De acordo com a Polícia Civil, contudo, ela não havia pedido medidas protetivas. De acordo coma Polícia Militar, Jéferson já cumpriu pena por tráfico e uso de drogas.

Também na noite de ano novo, nove mulheres foram mortas em uma chacina em Campinas (SP). Duas cartas mostram que Sidnei Ramis de Araújo tinha ódio de mulheres. "Quero pegar o máximo de vadias da família juntas", escreveu antes de matar a ex-esposa Isamara Filier.

LEIA TAMBÉM

- 'Quero pegar o máximo de vadias': 9 vítimas da chacina eram mulheres

- PEC apresentada no Senado quer tornar estupro crime imprescritível e inafiançável

- Como a Mulher-Maravilha se tornou um símbolo feminista