COMPORTAMENTO
02/01/2017 11:54 -02

Como escolas brasileiras estão ajudando crianças a lidar com as emoções

bullying illustration

Na rotina de uma criança, é comum falar sobre as aulas na escola, os passeios extracurriculares ou as lições de casa. Dentro e fora do ambiente escolar, português, matemática, ciências e geografia acabam dando o tom de muitas das conversas.

Mas pouco se fala sobre a raiva sentida por um educador diante de uma avaliação, a inveja de um coleguinha, o medo de ir para a escola e sofrer bullying mais uma vez ou a total falta de vontade de sair de cama e viver. Pode parecer exagerado, mas a depressão, a automutilação e o suicídio são uma realidade entre muitas crianças e adolescentes, o que representa um desafio alarmante tanto para pais quanto para crianças.

Um levantamento da Associação de Líderes de Escolas e Faculdades (ASCL, na sigla em inglês) e do National Children’s Bureau, realizado com 338 líderes escolares britânicos, indica que mais da metade deles (55%) observou aumento significativo de estudantes sofrendo de ansiedade e estresse nos últimos cinco anos, enquanto mais de 40% disseram ter notado um grande aumento no cyberbullying.

Além disso, quase oito de cada dez entrevistados (79%) disseram ter visto um aumento de comportamentos de autoagressão ou pensamentos suicidas entre os alunos.

Falar sobre emoções com os pequenos, portanto, é tão fundamental quanto ensiná-los a lavar as mãos antes das refeições. Isso os encoraja a tentar encontrar palavras que descrevam o que estão sentindo. Serve tanto para lidar com os sofrimentos impostos pela vida quanto para evitar problemas mais graves como os citados acima.

Cuidar da saúde mental, infelizmente, não é prioridade em nossa cultura, mas algumas escolas estão tentando mostrar sua importância desde os primeiros anos de vida.

Em São Paulo, por exemplo, crianças do Ensino Fundamental da rede municipal estão desenvolvendo habilidades emocionais por meio do programa de educação emocional Amigos do Zippy. As atividades são desenvolvidas por mais de 100 professores nas escolas das Diretorias Regionais de Ensino (DRE) do Butantã, Campo Limpo e Capela do Socorro. A iniciativa é da Associação pela Saúde Emocional de Crianças (Asec) e das diretorias de ensino envolvidas.

amigos do zippy

Crianças atendidas pelo Amigos do Zippy

Uma pesquisa no fim de 2016 e divulgada pela Asec apontou que os professores disseram estar conhecendo melhor as crianças de suas turmas e se sentem mais capacitados para ajudá-las a lidar com situações difíceis, como a perda de emprego de um dos pais ou a separação deles.

Segundo uma professora da escola José Dias da Silveira, uma mãe contou-lhe que o filho, que era muito agitado e sempre se envolvia em confusão, está mais calmo, participativo e amigo dos colegas.

Alguns alunos se mostraram mais extrovertidos e passaram a fazer perguntas durante a aula, destaca um educador da escola Engenheiro José Amadei. "Penso que o programa os ajudou nesse sentido, de que podem perguntar sempre e que terão respostas. Estão perdendo o medo de cometer erros”.

A Asec trouxe para o Brasil, no fim de 2016, um novo programa, batizado de Passaporte: Habilidades para a Vida. Voltado para crianças a partir dos 11 anos, o projeto inclui 18 aulas com jogos e brincadeiras apoiados em uma história em quadrinhos. O objetivo é ajudar os alunos a lidarem com quaisquer dificuldades da vida.

Um novo modo de pensar e agir

Há 10 anos, escolas brasileiras que queiram implementar um projeto de educação emocional e mental podem recorrer ao Cuca Legal, desenvolvido pelo Departamento de Psiquiatria da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Uma equipe composta por psiquiatras, psicólogos, pedagogos, terapeutas educacionais e educadores desenvolve ferramentas de ensino e capacita os professores a identificar precocemente sintomas de quadros psiquiátricos, como o transtorno bipolar, e a promover a saúde mental na escola, o que contribui para diminuir o estigma que costuma cercar o tema.

"O conhecimento das emoções permite um novo modo de ser, pensar e agir. Uma pessoa que conhece a si mesma terá condições de perceber e respeitar as emoções dos seus semelhantes", afirma o projeto.

Reforço na autoestima

Em 2016, os colégios Anhembi Morumbi, em São Paulo, e Anchieta, em São Bernardo do Campo, utilizaram o método educacional VIAe, que visa a estimular entre os alunos resiliência - capacidade de resistir a situações negativas -, autoestima, autoconfiança, autonomia, colaboração, empatia, pensamento crítico, comunicação, consciência do coletivo, e empreendedorismo.

Um dos programas desenvolvidos é o Movimento Futuro, dirigido a alunos do 9° ano e do Ensino Médio. O foco é estimular a realização de sonhos que tragam impactos não só para o estudante, como também para a escola e para o mundo.

A aluna Amanda Finotti, de14 anos, está no 9º ano e sempre teve um sonho: ser psicóloga. Com o Movimento Futuro, ela e a colega Eduarda Huffenbacher organizaram uma roda de conversa na escola, onde abordavam temas como bullying, divórcio e feminismo.

Depois Amanda levou o projeto para além dos muros da escola e foi para a avenida Paulista “exercer” o papel de psicóloga, perguntando, por meio de um cartaz, qual era o sonho das pessoas que passavam por lá.

amanda

A estudante Amanda, que foi psicóloga por um dia

Caso você — ou alguém que você conheça — precise de ajuda, ligue 141, para o CVV - Centro de Valorização da Vida, ou acesse o site. O atendimento é gratuito, sigiloso e não é preciso se identificar. O movimento Conte Comigo oferece informações para lidar com a depressão. No exterior, consulte o site da Associação Internacional para Prevenção do Suicídio para acessar uma base de dados com redes de apoio disponíveis. O HuffPost Brasil possui também uma série de reportagens sobre a prevenção do suicídio e a importância de se falar a respeito.

Viver bem é o tipo de desejo tão universal que se tornou um direito. Mas não há fórmula ou mágica que o garanta, o que deixa, para cada um de nós, a difícil tarefa de descobrir e pavimentar o próprio caminho. A newsletter de Equilíbrio vai trazer a você textos e entrevistas sobre saúde mental, angústias, contradições e alegrias da vida. Assine aqui para receber novidades no fim de semana.

LEIA MAIS:

- 18 livros infantis para falar de emoções com os seus filhos

- Escola encoraja crianças a falarem quando estão tristes ou furiosas

- Lições valiosas sobre a importância da empatia na escola