NOTÍCIAS

O que sabemos sobre a morte do embaixador grego no Rio

30/12/2016 12:42 -02
Reprodução / Twitter

A Polícia Civil do Rio de Janeiro confirmou nesta sexta-feira (30) que o corpo encontrado em um carro carbonizado em Nova Iguaçu é do embaixador da Grécia no Brasil, Kyriakos Amiridis. Ele estava desaparecido desde a última segunda-feira (26).

Os investigadores pediram a prisão da viúva do diplomata, a brasileira Françoise Amiridis, e do policial militar Sérgio Gomes Moreira Filho, que teriam um relacionamento extraconjugal. Os dois são suspeitos de ter cometido o crime, mas detalhes ainda estão sendo investigados.

Françoise Amiridis chegou à delegacia por volta das 10h da manhã desta sexta-feira, acompanhada por policiais.

O que sabemos até o momento:

Quando e onde Amiridis sumiu?

O embaixador foi visto pela última vez na segunda-feira (26), no centro de Nova Iguaçu, região metropolitana do Rio, onde passava as férias de Natal.

A família de sua esposa tem uma casa na região. Ela comunicou o desaparecimento dois dias após o marido ficar incomunicável.

Em depoimento à polícia nesta quinta, Françoise disse que o diplomata deixou a casa em que estava por volta das 20h de segunda-feira dirigindo sozinho em um Ford Ka alugado. Outras testemunhas também viram o embaixador no carro, de acordo com o UOL.

Uma funcionária da embaixada grega informou à agência de notícias AFP que o diplomada chegou ao Rio no último dia 21 e pretendia voltar ao trabalho no próximo dia 9.

O crime

O cadáver encontrado no veículo e levado para ser analisado pelos médicos legistas. O laudo de DNA que comprova a identidade não havia sido concluído até o início da tarde desta sexta-feira, mas o corpo foi identificado como do diplomata porque o PM confessou o crime.

O carro estava queimado, nas proximidades do Arco Metropolitano, na altura de Nova Iguaçu.

O delegado Evaristo Pontes afirmou que não acredita na hipótese de sequestro. "Não trabalhamos com a hipótese de sequestro. A investigação segue algumas linhas, mas não trabalhamos com essa. Se fosse isso, os sequestradores já teriam feito contato", afirmou à imprensa.

De acordo com o jornal Extra, Agentes da Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF) encontraram um sofá com manchas de sangue na residência onde o diplomata estava.

Ele teria sido morto em casa e levado para o carro por volta das 3h da manhã de quarta-feira. O sofá está sendo analisado pelos investigadores e a polícia procura imagens de segurança da casa.

Segundo depoimentos, o diplomata teria discutido e agredido a esposa três dias antes do Natal e a briga teria motivado o crime.

O Ministério de Relações Exteriores (MRE) e a embaixadas a Grécia não se pronunciaram oficialmente sobre o caso.

Quem é o embaixador?

Amiridis foi cônsul geral da Grécia no Rio de 2001 a 2004 e embaixador da Grécia na Líbia de 2012 a 2016. Ele foi nomeado embaixador no Brasil em janeiro desde ano.

O diplomata é formado em Direito pela Universidade de Aristóteles, em Tessalônica, na Grécia.

LEIA TAMBÉM

- 'Morreu dando a vida para outro', diz viúva de vendedor ambulante assassinado no metrô em SP

- 4 fatores que foram responsáveis pela queda do avião da Chapecoense

- Maconha medicinal avança no Brasil: 'Sempre senti que plantar o remédio da minha filha era legítimo'