NOTÍCIAS

No Natal sem muros de alguns brasileiros, o convívio com refugiados foi um presente

27/12/2016 12:09 -02 | Atualizado 27/12/2016 12:09 -02

natal refugiados

No mundo globalizado, nem tudo é integração. Os refugiados que o digam: Obrigados a deixar seus lares em decisões quase sempre emergenciais, de vida ou morte, muitas vezes encontram portas fechadas e muros que os separam da possibilidade de construir uma nova vida.

Algumas várias portas se abriram neste ano, porém, e o espírito natalino teve sua parcela de incentivo. Estimulados pelo projeto Meu Amigo Refugiado, brasileiros de diversas cidades prepararam ceias caprichadas para receber refugiados das mais diferentes origens. Só no Brasil há 8,8 mil refugiados, e mais de 28 mil solicitam refúgio no país, segundo a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR).

"A gente ficou bastante ansioso pra conhecer aquela mulher que vinha de bem longe pra passar um dia com a gente. Olga, que depois descobrimos se chamar Bela Margarida Kalala Olga, vinha com seu filho Roberto, nascido há sete meses no Brasil. Uma criança radiante e risonha", afirma Daniele Krugets, 33, que, junto ao marido Andre Motta, 35, autores do blog Viagem Criativa, e a amigos, celebraram o Natal com os angolanos Bela e Roberto.

Diferentes línguas e hábitos culturais dividiram o mesmo teto e mostraram a riqueza da convivência. Segundo Daniele, Olga lhes contou que mora com a irmã há um ano no Brasil e o marido está em Angola, esperando para se juntar a eles. O pai morreu em um conflito no país.

"Embora venha de um país de língua portuguesa, foi alfabetizada em francês e a comunicação verbal se tornou um pouco difícil. Mas nos demos muito bem, trocamos presentes, abraços, e dava pra sentir o clima de felicidade coletiva daquele dia mais que festivo, já que também era aniversário dela." Naquele dia especial, Olga completava 23 anos.

"Comemos, sorrimos, bebemos, trocamos presentes e saímos com o espírito renovado, e uma ansiedade para ajudar outras pessoas, para nos ajudar e para tentar fazer diferença nesse mundo."

A iniciativa de conectar refugiados e brasileiros no Natal é da Migraflix, ação social que promove a integração social e econômica de refugiados e imigrantes no Brasil. Além de angolanos, as ceias acolheram imigrantes sírios, marroquinos, nigerianos, palestinos, costa-marfinenses, congoleses e gambianos. Para Daniele, a experiência dela, de Andre e dos amigos foi uma ressignificação do Natal.

"Esse projeto veio na hora certa: todo ano os nossos natais são sempre os mesmos e sem nenhum propósito: Muita comida e bebida, troca de presentes e vontade de ir dormir na sequência. Não podemos reclamar disso, sabemos que fazemos parte de uma parcela bem privilegiada da sociedade. Mas a gente vai ficando velho e novos propósitos surgem. Às vezes, simplesmente não nos damos conta do quanto nossos problemas pessoais são tão pequenos perto de outras realidades e é preciso ver isso, sentir isso, compartilhar."

Também em São Paulo, Fernanda Neder e sua família receberam Olga Yavo, da Costa do Marfim:

Veja abaixo alguns registros dos encontros natalinos com refugiados:

LEIA MAIS:

- Campanha propõe que refugiados sejam os convidados da sua ceia de Natal

- Alemanha anuncia programa de R$ 535 milhões para repatriar imigrantes

- Nacionalismo em países ricos ameaça ajuda a refugiados, diz comissário da ONU