MULHERES

Profissionais de salões de beleza nos EUA vão aprender a identificar sinais de violência doméstica

25/12/2016 16:32 -02 | Atualizado 25/02/2017 16:26 -03
Peter Dazeley via Getty Images

A partir de 2017, cabeleireiros do estado americano de Illinois vão aprender a reconhecer sinais de violência doméstica em seus clientes, bem como onde para encaminhá-los para serviços de apoio.

Isso é graças a uma nova legislação, sancionada pelo governador Bruce Rauner em agosto passado. A lei, que parece ser a primeira legislação do gênero no país, exigirá que todos os profissionais de beleza licenciados se submetam a treinamento em violência doméstica e agressão sexual.

A lei altera a Lei de Barbeiro, Cosmetologia, Estética, Cabelo e Tranças e Tecnologia de Unhas e obriga que qualquer pessoa que busca licenciamento como barbeiro, cosmetologista, esteticista, cortador de cabelo ou técnico de unhas assistir a uma aula de uma hora sobre violência doméstica e agressão sexual . Profissionais de beleza licenciados serão obrigados a fazer o treinamento de uma hora a cada dois anos para renovar sua licença.

A idéia para a legislação saiu de um comitê do Chicago Says No More, uma entidade regional que procura sensibilizar sobre a violência doméstica.

Kristie Paskvan, fundadora de Chicago Says No More, disse ao The Huffington Post que os funcionários de salão de beleza costumam desenvolver relacionamentos próximos com seus clientes, colocando-os em uma posição única para oferecer ajuda.

"Quando alguém está cuidando de você, você constrói um relacionamento com eles", disse ela. "É um relacionamento especial. As pessoas se abrem."

Especialistas da Chicago Says No More fizeram uma parceria com o Cosmetologists Chicago para desenvolver o currículo preliminar, ela disse.

De acordo com os Centros de Controle de Doenças, uma em cada quatro mulheres foi atacada de forma violenta por um parceiro íntimo. Em 2014, mais de 65 000 incidentes de violência íntima foram denunciados para a polícia de Illinois.

Embora os profissionais de beleza aprenderão a identificar sinais de violência doméstica e como conectar clientes com prestadores de serviços, não se espera que eles ofereçam aconselhamento e eles não serão legalmente obrigados a denunciar o abuso. A lei especifica que eles não podem ser considerados civil ou criminalmente responsáveis ​​"por agir de boa-fé ou por não agir com base em informações obtidas durante o curso do emprego".

O objetivo não é transformar os cabeleireiros em terapeutas, explicou Vickie Smith, diretora-executiva da Coalizão de Illinois Contra a Violência Doméstica, mas sim equipá-los com recursos que possam ser compartilhados com os clientes.

"Não queremos colocar as pessoas em uma situação em que elas sintam que tenham de responder ou ajudar além de indicar um local adequado para lidar com o problema", disse ela.

Smith disse ao HuffPost que é a favor da lei porque, acima de tudo, ela dá às sobreviventes mais uma maneira de obter informações críticas sobre a ajuda disponível.

"Quanto mais o público reconhece violência doméstica e agressão sexual, mais todos nós somos capazes de dizer: 'Isso não é culpa sua, existe ajuda, você não tem de viver assim", disse ela. "É uma forma de prevenção."

Paskvan concordou com Smith e disse esperar que a lei tenha impacto positivo em todo o estado.

"O treinamento não é para que alguém intervenha ou diga ao cliente o que fazer -- é para que eles aprendam a ouvir", disse ela. "Isso pode salvar vidas."

Este artigo foi originalmente publicado pelo HuffPost US e traduzido do inglês.

LEIA MAIS:

- TV no Marrocos exibe 'tutorial' de maquiagem para esconder marcas de agressão

- Luíza Brunet presta homenagem à Maria da Penha no 21º Prêmio CLAUDIA