NOTÍCIAS

5 fatos e uma enorme dúvida sobre a queda do avião militar russo neste Natal

25/12/2016 19:16 -02 | Atualizado 25/12/2016 19:16 -02

russia airplane

O avião militar russo Tupolev 154 caiu neste domingo (25) com 92 pessoas a bordo, 83 passageiros e oito membros da tripulação, perto de Sochi, na Rússia.

O voo conduzia militares, jornalistas e membros do Coral do Exército. Eles deveriam fazer uma apresentação musical às tropas russas em Latakia, na Síria, na noite do Ano-Novo. O Alexandrov Ensemble, fundado em 1928, durante a era soviética, é considerado “um dos símbolos da cultura militar nacional”.

O presidente russo, Vladimir Putin, declarou luto nacional e determinou a abertura de uma investigação criminal sobre o caso.

Fato 1: A queda

Destroços do avião russo que caiu hoje no Mar Negro foram encontrados a 1,5 km da costa da cidade de Sochi, a uma profundidade entre 50 e 70 metros, informou Igor Konashenkov, porta-voz do Ministério da Defesa da Rússia. Ele garante que não há quaisquer sobreviventes da queda da aeronave.

O Tupolev TU-154 desapareceu dos radares às 5h25 horário local, dois minutos depois de decolar de Sochi, no sudeste russo, onde havia parado para reabastecer.

Fato 2. Piloto e avião

Autoridades russas afirmam que o avião, construído em 1983, ainda na era soviética, passou por revisões em setembro e por uma reforma completa em dezembro de 2014 e teria 7 mil horas de voo. Disse ainda que o piloto era experiente.

Fato 3. Onde aconteceu

russia airplane

O Mar Negro é um mar interior de forma oval que está localizado entre a Europa, a Península da Anatólia (Turquia) e o Cáucaso, fazendo ligação com o Oceano Atlântico através dos mares Mediterrâneo e Egeu e os estreitos (Bósforo, Dardanelos e Kerch).

Fato 4: A ativista morre

Autoridades russas confirmaram que também estava no avião militar a diretora do fundo humanitário Fair Aid, Elizaveta Glinka, ativista pela caridade.

Ela estava viajando a Latakia para entregar medicamentos a um hospital, de acordo com o Conselho de Direitos Humanos local .

O presidente do conselho, Michail Fedotov, disse ao Interfax que Elizaveta era "um milagre", "uma mensagem de virtude enviada pelos céus".

Doutora Liza, como era conhecida, devotou a maior parte de sua vida para ajudar nos cuidados paliativos a doentes, alimentar os sem-teto e arrecadar donativos para eles.

"Ela buscou as crianças doentes e feridas de Donbass (na Ucrânia, onde ocorreu uma guerra em 2014), embaixo de tiroteio, para que elas conseguissem ajuda nos melhores hospitais de Moscou e São Petersburgo", contou Fedotov.

Fato 5: Condolências de Bashar al Assad

O presidente da Síria, Bashar al Assad, afirmou neste domingo estar "entristecido pela queda do avião militar russo que estava a caminho da Síria para celebrar a vitória do seu exército em Aleppo", mas que a luta contra os radicais islâmicos não será afetada".

Na mensagem de condolências enviada ao presidente russo, Vladimir Putin, Assad afirmou ainda que os dois países eram parceiros na luta "para lançar as bases da estabilidade, segurança e paz na Síria".

A grande dúvida: O motivo da queda

O ministro dos Transportes da Rússia, Maksim Sokolov, disse que estão sendo analisadas todas as pistas relacionadas ao acidente, inclusive a de terrorismo.

"É prematuro fazer qualquer especulação no momento. Mas os investigadores estão avaliando todas as pistas, inclusive a de terrorismo", disse Sokolov.

Mais cedo, o chefe da Comissão de Defesa do Senado russo, Viktor Ozerov, tinha descartado a possibilidade de atentado, alegando que o avião era da Força Aérea russa e tinha caído em território russo. Segundo ele, havia mais chances de ter sido uma falha técnica ou erro humano.

Com informações Agência Brasil e Reuters

LEIA MAIS:

- Após ônibus com socorro serem incendiados, evacuação de Aleppo é suspensa

- Tudo o que sabemos sobre o ataque que matou um embaixador russo na Turquia