NOTÍCIAS
23/12/2016 12:21 -02

Suspeito do ataque em Berlim, morto nesta sexta, migrou para fugir da pobreza

Zoubeir Souissi / Reuters
Mustapha Amri (L), father of suspect Anis Amri who is sought in relation with the truck attack on a Christmas market in Berlin, interacts with his son Walid near their home in Oueslatia, Tunisia December 22, 2016. REUTERS/Zoubeir Souissi

Morto pela polícia de Milão nesta sexta-feira (23), o tunisiano Anis Amri suspeito do ataque a uma feira natalina em Berlim, que deixou 12 mortos e cerca de 50 feridos, migrou para a Europa para fugir da pobreza.

A família dele diz que ele também partiu em busca de melhores condições financeira. Segundo o irmão mais novo do suspeito, Abdelkader Amri, Anis "estava desesperado para melhorar a situação financeira da nossa família" e "planejava voltar".

De acordo com agências de notícias internacionais, ele deixou a Tunísia em 2011 fugindo de uma condenação a quatro anos de prisão por furto e roubo.

Amri chegou a ser preso várias vezes pela polícia tunisiana, mas era considerado mais criminoso que terrorista.

Inicialmente, ele foi para a Itália. Lá foi condenado por atear fogo em um prédio. Então, em 2015, fugiu para a Alemanha onde pediu asilo e não foi aceito.

Choque

De acordo com o jornal britânico The Guardian, a família ficou chocada com o atentado.

“Quando vi as fotos do meu irmão nos jornais, não acreditei”, disse Abdelkader. “Mas se ele é culpado, merece ser condenado. Rejeitamos terroristas e terrorismo. Não tem negociação com terroristas."

“Ele nunca nos fez pensar que havia algo errado. Mantenhamos contato por Facebook e ele sempre estava sorrindo”, completou.

As autoridades alemãs mantinham o olho nele por acreditar que havia relação com o Estado Islâmico. O principal contato dele seria Ahmad Abdulaziz Abdullah, também conhecido como Abu Walaa, preso por terrorismo em novembro.

Segundo o G1, Amri prometeu, em vídeo, lealdade à milícia, mas não há referência ao ataque nas imagens.

Morte

A morte de Amri foi confirmada pelo ministro do Interior da Itália, Marco Minniti. Ele assegura que o morto em uma troca de tiros com policiais italianos é o jovem.

“Sem nenhuma sombra de dúvida”, afirmou ao confirmar a identidade do suspeito, segundo a Folha de S. Paulo.

A polícia italiana não sabia que o suspeito estava na cidade. Eles faziam a patrulha de rotinha quando abordaram o rapaz por volta de 3h e 3h30 perto da estação ferroviária de Sesto San Giovanni.

Ele reagiu atirando em um dos policiais e foi morto pelo colega do baleado. Segundo autoridades locais, o policial que foi atingido não corre risco de morte.

A mídia local informa que o suspeito tinha acabado de chegar na cidade da França. Foragido desde o atentado, na segunda-feira (19), Anis foi identificado pelas impressões digitais.

O Estado Islâmico assumiu a autoria do ataque, mas não há provas de que a milícia atuou na ação.

LEIA TAMBÉM:

- Polícia de Berlim investiga possível ligação de terrorismo com mortes em mercado natalino

- O desabafo de Merkel: 'Será difícil suportar se imigrante foi autor de ataque terrorista'