NOTÍCIAS

Estudante gay do ITA se forma de vestido, salto e maquiagem em protesto contra homofobia

20/12/2016 14:40 -02 | Atualizado 20/12/2016 14:40 -02
Montagem/Facebook

A formatura do jovem Talles de Oliveira Faria, aluno de engenharia do ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica), virou palco para um protesto contra a homofobia denunciada por ele na instituição de São José dos Campos (SP).

No último fim de semana, Talles despiu-se da beca na hora de receber o diploma e revelou um vestido vermelho e salto alto.

De maquiagem e cabelo descolorido, o agora engenheiro fez questão de se liberar das amarras que, segundo ele, não são impostas pelo regulamento do ITA, mas sim próprias da carreira militar.

Em entrevista ao jornal Correio Braziliense, Talles conta que chegou a ficar alguns dias preso por pintar cabelos e usar maquiagem:

"Por ser uma instituição extremamente sexista, sinto-me oprimido por querer usar maquiagem, pintar o cabelo (mesmo que de cores discretas), coisas que são permitidas a mulheres e não negadas pelo regulamento a pessoas do sexo masculino. Os militares então usam disso e mais algum erro que querem encontrar em você para que seja punido."

O jovem também foi alvo de uma sindicância interna por ter se vestido de mulher em uma manifestação no Dia Nacional Contra a Homofobia, em 18 de maio passado.

De acordo com o G1, Talles se viu obrigado a deixar a carreira militar depois desse episódio. Do contrário, corria o risco de não se formar.

Ele acredita que sua orientação sexual, que nunca escondeu na universidade, afetou sua permanência por lá.

Escritas atrás de seu vestido de formatura, as palavras dirigidas à instituição foram: "Excelência em machismo, falsa meritocracia, elitismo, homofobia".

Ao G1, a reitoria do ITA nega discriminar estudantes com base em orientação sexual, gênero, classe, raça e religião e diz que repudia atos de homofobia.

LEIA MAIS:

- Falsa psicopedagoga vai palestrar em igreja sobre como 'prevenir' homossexualidade

- Para quase 80% dos jovens, gays ainda sofrem muita discriminação no trabalho

O que os gays de Blumenau já ouviram