NOTÍCIAS

Ônibus chegam a Aleppo para retirada de pessoas, diz mídia estatal síria

18/12/2016 11:59 -02 | Atualizado 18/12/2016 11:59 -02
Anadolu Agency via Getty Images
ALEPPO, SYRIA - DECEMBER 15: A convoy including busses and ambulances, wait at a crossing point at Amiriyah District of Aleppo Syria on December 15, 2016 to evacuate civilians, trying to flee from East Aleppo where had been under siege by Iran led Shiite militias and Assad Regime forces. (Photo by Jawad al Rifai/Anadolu Agency/Getty Images)

Os ônibus para retirada de pessoas de Aleppo começaram a entrar no último território mantido por insurgentes do leste de Aleppo, sob a supervisão do Comitê Internacional da Cruz Vermelha e da Cruz Vermelha Síria, informou a agência de notícias estatal síria SANA. Os ônibus serão usados para retirar rebeldes e civis.

Milhares de civis estão em condições sub-humanas nas ruas de Aleppo, dormindo sob frio extremo, sem nenhum tipo de proteção e com poucos alimentos.

A representante da Organização Mundial de Saúde (OMS) na Síria, Elizabeth Hoff, disse esperar que a retirada comece nas próximas horas. Pelo menos 1,2 mil pessoas devem ser retiradas até o fim deste domingo na província Idllib, nas cidades de Foah e Kefraya.

As retiradas foram suspensas na última sexta-feira depois que forças do governo de Bashar Al-Assad exigiram a retirada dos rebeldes que estavam nesta província.

As imagens de televisão estatais creditadas como sendo em Ramousah mostravam ônibus estacionados ao lado de um cruzamento rodoviário e uma van com uma bandeira do Crescente Vermelho Árabe Sírio. Vários carros brancos grandes marcados com símbolos do Crescente Vermelho e da Cruz Vermelha estavam nas proximidades.

Não há precisão das autoridades em estimar quantas pessoas estão vivendo no leste de Aleppo. Os números variam entre 15 mil e 40 mil civis, além de 6 mil rebeldes.

LEIA MAIS:

- 'Colapso da humanidade': Exército sírio agora executa civis em Aleppo

- Justin Trudeau chora de emoção ao ouvir depoimento de refugiado sírio

- Até quando? Ataques na Síria matam pelo menos 11 crianças