NOTÍCIAS

Alan Ruschel diz que sobreviver foi "um milagre" e quer voltar aos gramados em seis meses

17/12/2016 10:51 -02 | Atualizado 17/12/2016 10:51 -02
Reprodução

Um dos sobreviventes da tragédia da Chapecoense, o lateral Alan Ruschel, recebeu alta na tarde de sexta-feira, em Chapecó. Neste sábado, emocionado, Alan conversou com a imprensa e disse não lembrar do acidente. O lateral também disse que ele representava um "milagre de Deus" e afirmou que quer voltar aos gramados daqui a seis meses.

"Farei de tudo para voltar a jogar, com muita paciência. Mas farei de tudo para dar alegria ao Plínio (novo presidente da Chapecoense), aos médicos e a esse pessoal aqui", disse. Ëu calculei três meses para calcificar a coluna e já passou um. Agora serão mais dois meses para fortalecer a musculatura. Estou só na capa", explicou.

Muito emocionado, Alan chorou bastante antes de começar a entrevista. "No momento que caiu aquele avião, Deus me pegou no colo e falou que eu tinha mais missão aqui na Terra. Por isso ele não me levou", disse. Alan classificou como milagre não ter se machucado muito no acidente e que estar andando "é um milagre de Deus".

alan ruschel

O lateral da Chapecoense, Alan se diz abalado com a tragédia, que matou 19 colegas de clube. "Não tem palavras para explicar o que estou sentindo. É uma mistura de sentimentos, uma alegria grande por poder estar aqui de novo, sentado aqui. Mas ao mesmo tempo é um luto ter perdido muitos amigos", afirmou chorando.

Alan contou que não se lembra do momento em que o avião bateu contra um morro, a 30 quilômetros de Medellí, na Colômbia. "Eu lembro de sair de São Paulo, depois a gente estava chegando em Santa Cruz de la Sierra. Não lembro do voo, do acidente. O que eu lembro depois é da minha esposa Marina falando no hospital", contou.

No final da entrevista, Ruschel disse que o episódio será uma grande lição que vai levar para o resto da vida. "Estava indo para um jogo e simplesmente você não sabe se vai voltar, não sabe o que vai acontecer daqui a dez minutos. O que eu levo de lição é aproveitar a vida e fazer o bem. O que fizeram comigo durante esses dias não tem explicação. O jeito que me trataram na Colômbia, aqui no Brasil, o que os médicos fizeram por mim não tem explicação."

LEIA MAIS:

- Goleiro da Chape volta ao Brasil após acidente. E médico comemora 'primeiro gol'

- 'Não houve gritaria. Foi um silêncio estarrecedor', conta sobrevivente de voo da Chape

- #ForçaChape: Unidos, todos os clubes do Brasileirão prestam homenagem à Chape