NOTÍCIAS
16/12/2016 16:11 -02

Cuba oferece rum para quitar dívida de R$ 936 milhões com República Tcheca

Roberto Machado Noa via Getty Images
SANCTI SPIRITUS, CUBA - 2015/09/25: El Ron de Cuba: Bottles of Havana Club rum on the pavement with vehicles moving in the background. Havana Club brand of rum created in 1934, is one of the best-selling rum brands in the world and also promotes Cuban culture across the globe. (Photo by Roberto Machado Noa/LightRocket via Getty Images)

O governo de Cuba resolveu fazer uma oferta ousada e inovadora para quitar um débito multimilionário com o governo da República Tcheca.

Segundo oficiais do governo tcheco citados pela BBC, Havana levantou a possibilidade de pagar uma dívida de US$ 276 milhões (R$ 936 milhões) em garrafas de rum.

A dívida é antiga: vem da época da Guerra Fria, quando Cuba e a então Checoslováquia faziam parte do bloco soviético.

Embora o governo tcheco esteja analisando a proposta, Praga pretende receber pelo menos parte do montante em dinheiro vivo. Também é cogitada a possibilidade de que parte da dívida seja quitada por meio de produtos farmacêuticos produzidos pela ilha - mas a decisão pode esbarrar em decisões regulatórias da União Europeia.

Segundo o Telegraph, se a proposta for aceita, o país vai ter rum suficiente para um século de consumo.

No começo desta semana, a União Europeia e Cuba assinaram um acordo político que o bloco espera deixar suas empresas bem posicionadas para a transição de Havana para uma economia mais aberta e também abrir caminho para fazer pressão por liberdades políticas na ilha.

No maior avanço diplomático desde que a UE suspendeu sanções à nação de regime comunista em 2008, o assim chamado acordo de diálogo político e cooperação é o primeiro entre Cuba e o bloco de 28 países.

Embora modesto na abrangência, o pacto ocorre na esteira de mais de duas décadas de diplomacia da UE para estabelecer um ambiente de laços mais fortes e chega duas semanas depois da morte do revolucionário cubano Fidel Castro, cuja prática de prender dissidentes impediu relações melhores durante muito tempo.

"Estamos começando a escrever um novo capítulo juntos", disse a chefe de política externa da UE, Federica Mogherini, durante a cerimônia de assinatura do acordo com o ministro cubano das Relações Exteriores, Bruno Rodríguez Parrilla, em Bruxelas, além de chanceleres e embaixadores do bloco.

Rodríguez disse que o acordo irá desenvolver laços comerciais, culturais, financeiros e científicos através do oceano Atlântico, e que prova que os dois lados podem se "colocar acima de nossas diferenças" e retomar o "respeito mútuo".

A normalização do relacionamento tem sido tortuosa em parte por causa da resistência dos membros da UE do leste europeu devido a seu próprio passado comunista, e o fato de Cuba ter prendido dissidentes em 2003 levou o bloco a impor sanções diplomáticas, o que limitou os contatos.

(Com informações da Reuters)

LEIA MAIS:

- Morte de Fidel causa 'saia justa' diplomática em vários países

- A morte de Fidel e a inserção de Cuba no cenário pós-Revolução

- Após morte de Fidel, grupos dissidentes fazem 'trégua' com governo