NOTÍCIAS
15/12/2016 22:46 -02

Temer é citado pela segunda vez na delação da Odebrecht no âmbito da Lava Jato

Brazil Photo Press/CON via Getty Images
BRASILIA, BRAZIL - DECEMBER 15: Brazilian President Michel Temer attends a press conference of the Brazilian Economic Cabinet at Palacio do Planalto on December 15, 2016 in Brasilia, Brazil. (Photo by Ricardo Botelho/Brazil Photo Press/LatinContent/Getty Images)

O presidente Michel Temer foi citado pela segunda vez na delação da Odebrecht. Ele aparece nos depoimentos do empresário Márcio Faria da Silva, segundo o jornal Folha de S.Paulo e a revista Veja. De acordo com o jornal e a revista, Temer participou de reunião que negociou doação para a campanha do PMDB em 2010 em troca de ajuda na liberação de projetos com a Petrobras.

O encontro, segundo o jornal e a Veja, contou com a participação do ex-presidente da Câmara, o deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), de João Augusto Henriques e de Márcio Faria, então presidente da Odebrecht Engenharia Industrial. Na época, Temer era deputado federal.

Aos dois veículos, a assessoria de Temer confirmou o encontro. Disse que o encontro foi organizado por Cunha para apresentar um empresário disposto a contribuir com a campanha, mas não se falou de valores nem obras nas quais a Odebrecht poderia atuar.

“Se, depois da conversa de apresentação do empresário com Temer, Eduardo Cunha realizou qualquer acerto ou negociou valores para campanha, a responsabilidade é do próprio Eduardo Cunha”, afirmou a assessoria de Temer à Veja.

A Folha, no entanto, não cita o nome do delator que menciona Temer. Márcio é um dos 77 delatores da Odebrecht.

No último dia 9, Temer já havia sido mencionado na delação do executivo Claudio Melo Filho, da Odebrecht, Ele foi citado 43 vezes e teria acertado propina de R$ 10 milhões em um jantar em 2014.

LEIA TAMBÉM:

- Relação com a Odebrecht faz Lula ser é denunciado pela 3ª vez na Lava Jato

- Ex-presidente da Odebrecht confirma: Temer pediu R$ 10 milhões para o PMDB

- A reforma da previdência, a PEC do Teto e um governo sem futuro