ENTRETENIMENTO

Mulher-Maravilha perde cargo de embaixadora da ONU por ser muito 'sexualizada'

14/12/2016 19:23 -02
DC Comics

Após dois meses como embaixadora da Organização das Nações Unidas (ONU), a super-heroína e símbolo do feminismo Mulher-Maravilha perde o cargo nesta semana por ser considerada muito "sexualizada" por críticos à sua escolha.

A personagem da DC Comics foi nomeada Embaixadora Honorária para o Empoderamento das Mulheres e Meninas em uma campanha pela igualdade de gênero, mas desde a ocasião, várias críticas foram feitas tanto de dentro quanto de fora da ONU, pela escolha de uma figura feminina branca, que usa roupas curtas e tem tendência à violência.

Outro ponto levantado pelos contrários à escolha é o fato de a Mulher-Maravilha ser uma personagem da ficção, enquanto na vida real, mulheres de verdade enfrentam a exploração sexual e o abuso, como conta a Hollywood Reporter.

Uma petição contra a nomeação da heroína conseguiu reunir quase 45 mil assinaturas.

A ONU anunciou nesta semana a demissão de Mulher-Maravilha do cargo. Jeffrey A. Brez, porta-voz da organização, disse à Associated Press: "Está terminando porque foi previsto para terminar. O objetivo era alcançar os fãs da Mulher-Maravilha e acho que fizemos um ótimo trabalho com isso".

Um comunicado oficial deve ser divulgado nesta sexta-feira (16).

No evento em que a personagem recebeu o título, compareceram as atrizes Lynda Carter, que interpretou a heroína na série de TV dos anos 1970, e Gal Gadot, que vive a personagem no filme que estreia em 2017.


Em 31 de dezembro, a Mulher-Maravilha completa 75 anos de existência.

LEIA MAIS:

- ASSISTA: Mulher-Maravilha protege o mundo em novo trailer ARRASADOR do filme

- Regina Spektor faz playlist girl power para comemorar 75 anos de Mulher-Maravilha

- Mulher-Maravilha é bissexual, defende roteirista das HQs