NOTÍCIAS

11 frases que resumem o ativismo político de D. Paulo Evaristo Arns

14/12/2016 14:57 -02
Rovena Rosa/Agência Brasil

A luta pelos direitos humanos perdeu nesta quarta-feira (14) o cardeal Dom Paulo Evaristo Arns, Arcebispo Emérito da Arquidiocese de São Paulo, morto por falência múltipla dos órgão.

Considerado guardião dos diretos humanos, Arns deixa lições para a sociedade brasileiras. O HuffPost separou 11 frases essenciais sobre o ativismo político do arcebispo:

  1. “O povo que não respeita a criança não respeita a si mesmo e nem respeita o próprio futuro.”
  2. “Toda crise é momento de mudanças qualitativas.”
  3. "A graça de Deus não esquece ninguém nem se regula por crachás."
  4. "O celibato não deveria ser obrigatório.”
  5. "No Brasil, é necessário lutar pelos direitos de todos e pelo fim da exclusão social.”
  6. "Deus nos preserve de males semelhantes àqueles que tivemos de suportar.” (sobre a ditadura militar)
  7. "Ninguém derrota o homem que quer ser justo."
  8. "A justiça revela-se não pelas palavras, mas pelos atos."
  9. “É da maior gravidade a prisão de pessoas que estão lutando por uma definição partidária ou pela criação de bases partidárias, pois trata-se de uma luta dentro da legalidade.”
  10. “Generosidade não é dar, mas dar-se, assim como Cristo se deu todos nós."
  11. "Eu gostaria de ser lembrado como o amigo do povo"

LEIA TAMBÉM:

- Guardião dos direitos humanos, Dom Paulo Evaristo Arns morre aos 95 anos

- Para comandante do Exército, 'malucos' defendem intervenção militar