NOTÍCIAS

Reprovação ao governo de Michel Temer sobe para 51%, diz Datafolha

11/12/2016 10:32 -02
EVARISTO SA via Getty Images
Brazilian President Michel Temer delivers a speech during a ceremony with high ranking military officers at Planalto Palace in Brasilia on December 7, 2016. / AFP / EVARISTO SA (Photo credit should read EVARISTO SA/AFP/Getty Images)

A reprovação ao governo do presidente Michel Temer subiu para 51% em dezembro, ante 31% em julho, acompanhada da queda na confiança na economia, mostrou pesquisa Datafolha divulgada neste domingo (11).

Segundo o levantamento, realizado entre 7 e 8 de dezembro, antes de surgirem detalhes de delação da Odebrecht com citações a Temer, 51% dos brasileiros consideram a gestão de Temer ruim ou péssima.

Aqueles que consideram o governo do presidente como regular reduziram-se a 34%. Na pesquisa anterior, durante a interinidade do peemedebista, eram 42%.

O índice de ótimo/bom de Temer caiu de 14% em julho para 10% em dezembro. Não souberam avaliar o governo 5% dos entrevistados.

Nos últimos meses, a situação econômica do país piorou na avaliação de 65% da população e se manteve como estava para 25%; 9% disseram que houve melhora.

No futuro próximo, 41% acham que a economia se deteriorará, 27%, que não se alterará e 28% apostam em melhora. Em julho esses números eram 30%, 27% e 38%, respectivamente.

De acordo com o Datafolha, 63% da população é favorável à renúncia do presidente Temer ainda neste ano para que haja eleição direta.

No questionário anterior, o Datafolha perguntou se o entrevistado era "a favor ou contra Michel Temer e Dilma Rousseff renunciarem para a convocação de novas eleições para a Presidência da República ainda neste ano". Das pessoas ouvidas pelo instituto à época, 62% defenderam a renúncia de ambos.

O Datafolha ouviu 2.828 pessoas com 16 anos ou mais. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

LEIA MAIS:

- Contra a parede: Temer é citado 43 vezes em delação da Odebrecht

- Jucá operou R$ 22 milhões em propina por emendas pró-Odebrecht, diz delator

- Delator diz que entregou R$ 10 milhões em caixa dois para campanha de Temer