ENTRETENIMENTO

'Ninguém Segura Ela': Após caso de assédio, Biel tenta retomar carreira com novo single

09/12/2016 18:05 -02 | Atualizado 09/12/2016 18:05 -02

MC Biel está de volta.

Quatro meses após anunciar uma pausa na carreira depois de responder judicialmente uma denúncia de assédio sexual da repórter Giulia Pereira, o cantor de 20 anos lançou nesta sexta-feira (9) um novo single.

Em setembro, se tornou pública a notícia de que ele reviveria a carreira artística em 2017 com uma música composta por ele em "homenagem às mulheres". O resultado dessa intenção pode ser ouvido em Ninguém Segura Ela.

De cunho feminista, a canção descreve uma garota poderosa, forte e decidida, que deixa todos a seus pés.

Um dos versos da letra diz:

"Ela é linda, lança moda

Ela é zika, ela é foda

Onde passa incomoda

E quem perdeu agora chora"

Assista ao clipe no player abaixo:

A nova música de Biel gerou polêmica nas redes sociais. Veja a repercussão no Twitter:

Relembre o caso

No dia 3 de junho, a repórter do portal iG denunciou o assédio que sofreu durante uma entrevista com Biel. O fato ocorreu em maio durante uma entrevista com o cantor sobre o seu novo álbum.

A notícia ganhou repercussão nacional.

O cantor, nascido Gabriel Araújo Marins Rodrigues, de 20 anos, foi denunciado pela profissional na 1ª Delegacia da Mulher de São Paulo por assédio sexual. De acordo com o relato, ele chamou a jornalista de “gostosinha” e disse que “a quebraria no meio” se mantivessem relações sexuais.

Durante a entrevista, a repórter menciona que tem quase a mesma idade do cantor. Ele responde: "Idade não significa nada. Se te pego, te quebro no meio". Depois, ela questiona se ele é bissexual, em menção às buscas no Google sobre "Biel é bi?". O artista retruca: "Por quê? Você quer que eu te mostre com atos e ações? E eu sou heterossexual. Eu gosto é de boceta".

Cinco dias após a repercussão, o cantor pediu desculpas à jornalista assediada, aos fãs, familiares e a quem mais "se sentiu ofendido" com suas ações.

"Nunca imaginei que minhas palavras poderiam machucar quem me entrevistava, então estou aqui para me desculpar não só com a repórter, mas com todas mulheres que se sentiram ofendidas com as minhas palavras. Acho que estou em dívida com a minha família, não foi a educação que eles me deram e isso não vai acontecer de novo."

Demissões

Depois que a denúncia veio a público, Giulia tirou uma “licença” para se recuperar emocionalmente do caso. Dias depois foi demitida.

Pouco mais de uma semana após a demissão Giulia, o portal iG demitiu também a editora que apoiou a jornalista e escreveu sobre a denúncia.

A editora-executiva Patrícia Moraes foi demitida com o argumento de corte de gastos - mesmo motivo alegado para demitir a repórter vítima de assédio. Para a primeira dispensa, o iG também falou na necessidade de "seniorização da equipe".

LEIA MAIS:

- Bernardo Bertolucci, diretor de 'Último Tango em Paris', diz que polêmica sobre cena de estupro é 'ridículo mal-entendido'

- Evan Rachel Wood revela ter sido estuprada e pede que mulheres denunciem