NOTÍCIAS

'Contos tirados de mim': Detentos de Joinville lançam livro sobre experiência na prisão

09/12/2016 18:03 -02 | Atualizado 09/12/2016 18:03 -02
Rutherhagen, Peter via Getty Images
Woman writing on diary

De Hitler a Dom Quixote, passando por Graciliano Ramos e Oscar Wilde, obras importantes já foram escritas durante o período de cárcere.

Este ano, outro livro foi lançado por quem de fato vivencia o encarceramento. Mas este é especial. Não foram escritores profissionais, mas detentos de Joinville que realizaram a obra Contos tirados de mim: a literatura no cárcere, sobre o período em que cumprem pena na prisão.

Da penitenciária para a noite de autógrafos, o livro é resultado de um projeto de oficinas literárias que foi realizado com os presos a partir do incentivo da Vara de Execuções Penais de Joinville. O produto final foi financiado por uma editora paulista que tomou conhecimento da produção dos encarcerados em uma feira literária.

As oficinas, por sua vez, são consequências diretas da Recomendação 44/2013 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que prevê a redução de penas por meio de atividades educacionais, como a leitura.

A recomendação foi implementada em 2013 na penitenciária catarinense e desde então campanhas para arrecadações de livros em Joinville possibilitaram a criação de duas biblioteca para os mais de 1500 presos.

De acordo com o CNJ, para obter a remição da pena os presos têm até 30 dias para finalizar a leitura da obra e entregar uma resenha a respeito do que foi lido. Depois, cada texto é avaliado por professores do complexo.

O juiz João Marcos Buch acredita que a produção literária tem transformado a visão da sociedade local sobre os presidiários.

“Houve uma identificação humana, a comunidade percebeu que as pessoas que cumprem pena sofrem das mesmas alegrias e tristezas, o que pode auxiliar na reinserção dos presos após o cumprimento da pena. A leitura e escrita possibilitaram que os presos tivessem uma amplitude maior de sua existência, muito além da remição da pena, para refletirem sobre o que cometeram de forma consciente e racional.”

O conteúdo dos contos reflete as trajetórias e os imaginários dos autores. Em sua maioria, são experiências pessoais, relacionamentos familiares, cidades do interior de Santa Cataria e histórias cotidianas que servem de inspiração para os textos.

LEIA MAIS:

- Ex-interno da Fundação Casa usa giz para corrigir acidez do solo e ganha prêmio científico

- Com talento e muita vontade, detentas criam loja virtual para vender artesanato

- Sucesso em Olimpíada de Matemática eleva autoestima de jovens na Fundação Casa