COMPORTAMENTO

7 coisas que as pessoas que superaram a dependência do álcool querem que você saiba

06/12/2016 10:21 -02

michael phelps

O americano Michael Phelps, o maior campeão olímpico da história da natação, superou problemas com álcool e depressão

“Quando você é a única pessoa no grupo que não está bebendo, você se diferencia ou se isola.”

Se beber é algo que você sente que é uma necessidade, mais que uma escolha, isso é sinal de que você tem dependência alcoólica.

Mas a dependência ou adição pode ser superada com o apoio de sua família e seus amigos, além de organizações como Alcoólicos Anônimos (AA).

Para destacar a Semana da Consciência do Álcool, sete bloggers do HuffPost em processo de recuperação da dependência de álcool compartilham as coisas que querem que você saiba.

1. Eventos sociais podem ser difíceis.

Jonathan Young não perdeu amigos quando virou abstêmio, mas disse que o modo como interagia com seus amigos teve que mudar.

“Não foi mais possível passar tempo com eles do mesmo jeito que antes”, ele explicou.

“Quando você é a única pessoa em um grupo que não está bebendo, você se diferencia ou se isola, especialmente quando não beber é uma mudança marcante em relação a seu papel anterior."

“Pelo fato de não beber, você está rejeitando um elemento fundamental do evento. Jantares (aos quais você leva uma garrafa de vinho), despedidas de solteiro (tomando doses repetidas de bebida) ou casamentos (fazendo brindes aos noivos) – o consumo de álcool é um elemento importante de tudo isso.”

2. O alcoolismo pode ser enganoso.

Como alcoólatra em recuperação, Ivan Massow percebeu que é fácil identificar pessoas dependentes do álcool. Mas quando ele mesmo estava dominado pela dependência, não era tão fácil.

“O alcoolismo é uma doença que lhe diz que você não tem problema”, ele escreveu em um blog.

“Você é a única pessoa que não enxerga o problema. Você se distancia dos amigos, da família e da realidade, em um processo que acontece gota a gota, tão insípido e tão demorado que é impossível definir quando o problema começou.”

3. Os alcoólatras precisam de apoio para superar o vício.

Tommy Rosen está sóbrio há 25 anos e diz que não poderia ter dado o primeiro passo no caminho da recuperação se não tivesse tido ajuda.

“A cada passo de minha recuperação, precisei de um professor, um amigo, uma pessoa de minha família, um terapeuta, um professor de ioga ou um xamã para me ajudar a chegar ao lugar seguinte”, ele escreveu.

“Se você conhecesse minha história, perceberia claramente que estou aqui graças às pessoas que me ensinaram e que percorreram este caminho antes de mim. Acredito que seja assim para todos nós.”

4. Encontrar um novo hobby pode ajudar.

Pete Jackson tentou várias vezes parar de beber e não conseguiu – até encontrar a distração perfeita.

Ele disse: “Quando você para de beber, precisa preencher o vazio apavorante que fica.

“Antes, eu preenchia esse vazio de várias maneiras: ficava pensando em beber, desejando poder beber e então, toda vez, acabava bebendo. Dessa vez, decidi escrever. Comecei a rabiscar bobagens de todo tipo, usando minha mão esquerda, muito trêmula, para firmar minha mão direita, muito trêmula.

“Esse processo de escrita trêmula, somado às reuniões e ao apoio, me ajudou a superar a dependência.”

5. O álcool está literalmente em todo lugar.

Jenn Bovee escreveu um blog para festejar seus 20 anos de sobriedade e disse que, com o tempo, percebeu como o álcool é onipresente em nossa sociedade.

“No início, depois de ficar sóbria, lembro que eu não conseguia passar por um supermercado ou um programa de televisão sem ser bombardeada de álcool”, ela disse.

“Não vou entrar na discussão sobre a validade de o álcool ser uma substância geradora de dependência, mas de consumo legal. Mas confesso que por causa do álcool, não comungo na Igreja Católica.

“Depois de desenvolver uma base sólida, hoje não me proíbo mais de ir a qualquer lugar que eu quiser ou de fazer qualquer coisa que me der vontade.”

6. Tudo bem ficar assustado em sua primeira reunião do AA.

Rachel Black compartilhou no HuffPost Reino Unido o que anotou em seu diário após sua primeira reunião do AA. Ela disse que todo o mundo fica nervoso antes da primeira sessão.

“Você não está só. Sentir ansiedade ou medo é normal”, ela disse.

“Decidir frequentar os Alcoólicos Anônimos é um passo tremendo, mesmo que você fique do lado de fora, sentada no seu carro.”

7. Não é tudo negativo.

Em um blog intitulado “10 razões por que tenho sorte de ser alcoólatra”, uma colaboradora anônima disse que de certas maneiras o alcoolismo enriqueceu sua vida.

“Quando eu estava bebendo, nunca assumia a responsabilidade por meus atos. Eu achava que o mundo era contra mim e não entendia que talvez eu mesma tivesse algo a ver com os problemas”, ela disse.

“Agora, no processo de recuperação, estou aprendendo sobre mim mesma e me esforço para crescer todos os dias. Essa é a beleza de reconhecer que você é dependente e evoluir a partir disso.”

Este artigo foi originalmente publicado pelo HuffPost US e traduzido do inglês.

LEIA MAIS:

- Amy Winehouse Foundation abrirá centro para tratar mulheres com dependência química

- Baixista do U2, Adam Clayton diz estar mais feliz por superar seus problemas de saúde mental

- Após problemas com álcool e depressão, Michael Phelps está de volta às piscinas