NOTÍCIAS

Justiça deve ser fonte de 'sossego' para o cidadão, diz Cármen Lúcia

05/12/2016 12:19 -02 | Atualizado 05/12/2016 12:19 -02
Ueslei Marcelino / Reuters
Judge Carmen Lucia attends the "mensalao" trial at the Supreme Court in Brasilia October 4, 2012, seven years after the corruption scandal rattled the government of former President Luiz Inacio Lula da Silva. The rapporteur of the case, Joaquim Barbosa, is expected to convict Jose Dirceu, Lula da Silva's chief of staff, and the highest profile figure in the landmark case. REUTERS/Ueslei Marcelino (BRAZIL - Tags: POLITICS CRIME LAW)

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, disse hoje (5) que a Justiça mais do que nunca tem um papel de pacificador da sociedade, devendo ser uma fonte de “sossego” para o cidadão, num momento em que há uma grande intolerância com a ineficiência do Estado brasileiro.

“O Estado tem sido nossa única opção. Ou é a democracia ou a guerra. E o papel da Justiça é justamente de pacificar. Portanto, temos um compromisso direto de sermos responsáveis por trazer sugestões, propostas, projetos, fluxogramas, para que nós consigamos proporcionar um pouco de sossego ao povo brasileiro, no que seja nossa competência”, afirmou a presidente do STF e também do Conselho Nacional da Justiça (CNJ).

A presidente do STF discursou na abertura de um encontro anual em que o Poder Judiciário define as metas para o ano seguinte. Ela pediu união entre os juízes em um momento de “extrema dificuldade”, para que elaborem metas e políticas públicas para o Judiciário “não com parcialidade, mas com os valores da democracia”.

O compromisso último do Poder Judiciário, disse Cármen Lúcia, é fazer com que a sociedade não deixe de acreditar na Justiça, sob o risco de que os cidadãos passe a praticar a “justiça pelas próprias mãos... que nada mais é que exercer a vingança, que é a negativa da civilização, a não civilização”.

LEIA MAIS:

- Rodrigo Maia instala comissão para rever aborto após decisão do STF