MUNDO

Extrema direita concede vitória na Áustria, depois de projeções apontarem vitória de independente

04/12/2016 17:04 -02 | Atualizado 04/12/2016 17:04 -02
Bloomberg via Getty Images
Alexander Van der Bellen, presidential candidate of Austria's Green Party, reacts after a TV debate in Vienna, Austria, on Sunday, Dec. 4, 2016. A Green Party-backed independent, Van der Bellen, defeated the Freedom Party's Norbert Hofer to become Austria's next president, beating off a challenge by an anti-immigration candidate who had threatened to sour Austria's ties to the European Union. Photographer: Lisi Niesner/Bloomberg via Getty Images

O partido de extrema direita Liberdade concedeu a vitória nas eleições austríacas deste domingo ao antigo líder do Partido Verde, Alexandre Van der Bellen, que concorreu como independente, pouco depois das projeções apontarem a vitória de Bellen com cerca de 54%.

A derrota inflinge um golpe considerável nas pretensões de seus rivais do partido Liberdade de se transformar no primeiro grupo de extrema-direita a eleger um chefe de estado em eleições livres desde a segunda guerra.

"Uma vez mais o establishment, que entrou para bloquear, para impedir as mudanças, venceu. Não funcionou como esperávamos", afirmou Herbert Kicki, gerente de campanha de Norbert Hofner, do Liberdade.

Confirmado o resultado da eleição, a segunda em seis meses, será um alívio para a política europeia e uma confirmação para Van der Bellen, que venceu Norbert Hofer, do partido anti-imigração Liberdade, por uma margem mínima no pleito de maio, antes que fosse ordenada uma nova eleição.

Van der Bellen tem uma clara vantagem sobre Hofer, de acordo com as projeções do instituto de pesquisa SORA para a tevê ORF. O candidato independente tem 53,6% dos votos, e Hofer, 46,4%, com uma margem de erro de 1,2%.

LEIA MAIS:

- Extrema direita cristã dos EUA celebra ataque em Orlando: 'Deus enviou o atirador'

- O 'socialista de iPhone' quer falar. E você precisa ouvir