NOTÍCIAS
04/12/2016 18:31 -02

Em São Paulo, manifestantes apoiam Lava Jato e gritam 'Fora, Renan'

MIGUEL SCHINCARIOL via Getty Images
Demonstrators protest along Paulista Avenue in Sao Paulo, Brazil on december 4, 2016 against corruption and in support of the Lava Jato anti-corruption operation that investigates the bribes scandal of Petrobras. / AFP / Miguel SCHINCARIOL (Photo credit should read MIGUEL SCHINCARIOL/AFP/Getty Images)

O protesto na tarde deste domingo (4) na Avenida Paulista reuniu manifestantes em defesa da Lava Jato, em favor das Dez Medidas contra a Corrupção (PL 4850) e contra o presidente do Senado, Renan Calheiros. A Polícia Militar e organizadores não divulgarem contagem de número de participantes.

Fechada para lazer aos domingos, a avenida ficou lotada de pessoas vestidas de verde e amarelo. Em diversos momentos, os manifestantes fizeram pausas para cantar o hino nacional. Rogério Chequer, líder do Movimento Vem Pra Rua, disse à Agência Brasil que tem se mantido fiel às suas causas, e negou rompimento ideológico com o Movimento Brasil Livre (MBL), que também participa do ato.

“O Fora Renan é contra alguém que está tentando atrapalhar as investigações, desvirtuar o poder do Judiciário. Deixamos claro, o Vem Pra Rua não adere ao Fora Temer. Estamos aqui hoje para nos tentar estabilizar com um governo que está fazendo algumas coisas boas e algumas ruins. Esse [Fora Temer] não é o grito do Vem Pra Rua”, disse Chequer.

O procurador da Justiça José Oswaldo Molineiro, presidente da Associação Paulista do Ministério Público, disse que está no protesto hoje para defender um país moderno e voltado aos jovens. “Como presidente da associação, quero trazer a minha manifestação de apoio ao Ministério Público Federal, a este movimento, que recoloca o Brasil no seu lugar. Nós não somos um país corrupto”, declarou.

Ele também mostrou apoio à Lava Jato, que atua como uma investigação moderna contra o crime organizado de alto nível, segundo ele, que empobrece o país e deixa o país miserável. “A Lava Jato merece todo o nosso apoio”, disse Molineiro.

Em nota, a Secretaria da Segurança Pública definiu que o protesto de hoje ficará restrito à Avenida Paulista, com início às 14h e término às 18h, horário em que os “carros de som devem ser desligados para facilitar a dispersão do público”.

“Durante todo o período de manifestação, o Centro de Operações da PM (Copom), na região da Luz, sediará uma sala de gerenciamento de crise. Equipes dos comandos de policiamento de Choque (CPChq) e de Área Metropolitano 1 (CPA/M-1) reforçarão o policiamento da Paulista”, diz a nota.

A Avenida Paulista ainda foi divida em cinco pontos para atender aos diferentes movimentos, com concentração na altura das Ruas Augusta, Peixoto Gomide, e das Alamedas Casa Branca, Pamplona e Campinas.

LEIA MAIS:

- Protestos em defesa da Lava Jato reúnem manifestantes em cerca de 200 cidades pelo Brasil

- Governo Temer teme nova onda de manifestações pelo País