NOTÍCIAS

Marta é indicada novamente e vai atrás do 6º troféu de melhor do mundo

02/12/2016 15:12 -02 | Atualizado 02/12/2016 15:12 -02
Leonhard Foeger / Reuters
2016 Rio Olympics - Soccer - Semifinal - Women's Football Tournament Semifinal Brazil v Sweden - Maracana - Rio de Janeiro, Brazil - 16/08/2016. Marta (BRA) of Brazil reacts to scoring during the penalty shoot out. REUTERS/Leonhard Foeger FOR EDITORIAL USE ONLY. NOT FOR SALE FOR MARKETING OR ADVERTISING CAMPAIGNS.

Marta está pela a décima primeira vez entre as três melhores jogadoras do planeta. Sim, pela décima primeira vez. Isso sem contar os 5 troféus já garantidos na prateleira.

A mais nova indicação veio nesta sexta-feira (2) e a nossa craque vai disputar a a honraria com a americana Carli Lloyd, atual detentora da premiação, e com a alemã Melanie Behringer, eleita uma das três melhores do planeta pela primeira vez.

marta

Marta é a única atleta do futebol a vencer o prêmio de Melhor Jogadora do Ano por cinco anos consecutivos (2006, 2007, 2008, 2009, 2010). Vale lembrar ainda que a camisa 10 ficou entre as 10 melhores do planeta em 13 oportunidades.

Conhecida e adorada mundialmente pela habilidade com a perna esquerda - mas também pela sua liderança -, a brasileira de Alagoas foi disparada a melhor atleta do planeta na modalidade entre os anos 2006 e 2010, quando acabou eleita a melhor do planeta pela Fifa.

Mas, na realidade, a carreira toda da jogadora é um enfileirado de recordes e um auge interminável. Além dos cinco troféus, ela ficou em segundo lugar outras quatro vezes (2005, 2011, 2012 e 2014) e em outras duas oportunidades subiu o pódio com o terceiro lugar (2004 e 2013).

A grande vencedora será conhecida na cerimônia de gala da Fifa no dia 9 de janeiro de 2017, em Zurique.

marta soccer

LEIA TAMBÉM:

- Golaço! Quem é Emily Lima, a 1ª mulher a comandar da seleção feminina

-

'O futebol feminino não para por aqui': Conversamos com Bárbara, Marta e Formiga

- 'Nada vai tirar o brilho do que a gente fez', diz Marta sobre derrota

- O Brasil não tem mais o direito de boicotar o futebol feminino