NOTÍCIAS

Italiana morta no Dia de Combate à Violência contra a Mulher teria negado um beijo ao assassino

26/11/2016 14:46 -02 | Atualizado 26/11/2016 14:46 -02
Cris Faga/CON via Getty Images
SAO PAULO, BRAZIL - JUNE 08: A woman holds a banner during a protest against the gang rape of a 16-year-old girl on June 8, 2016 in Sao Paulo, Brazil. In response to the assault, Brazil's interim President Michel Temer said that Brazil will set up a specialized group to fight violence against women. (Photo by Cris Faga/LatinContent/Getty Images)

Pamela Canzonieri, a italiana de 39 anos assassinada em Morro de São Paulo, na Bahia, teria sido morta após ter se recusado a dar um beijo em seu algoz, Antônio Patrício dos Santos, mais conhecido como Fabrício.

A informação foi divulgada pela imprensa de Ragusa, cidade natal da vítima e cuja promotoria também apura o caso na Itália. Aos investigadores brasileiros, Antônio teria dito que se encontrou com Pamela na rua e a acompanhou até em casa - os dois moravam perto um do outro. Dentro da residência, teria ficado furioso ao não conseguir beijá-la e a esganou.

Procurada pela agência de notícias Ansa, a Secretaria de Segurança Pública da Bahia afirmou que não há, até o momento, nenhuma informação sobre isso. Segundo a autópsia, a causa da morte foi asfixia causada no pescoço com as mãos. Patrício dos Santos foi preso na última quarta-feira (23) e confessou o crime um dia depois. No entanto, ele alega não se lembrar de detalhes do episódio pois estava sob efeito de cocaína.

Fabrício tem passagens pela polícia por associação ao tráfico de drogas e já foi visto vendendo entorpecentes. A notícia de que o assassinato de Pamela teria ocorrido por causa de um beijo chega na mesma data em que se celebra o Dia de Combate à Violência contra a Mulher, um problema em comum entre Brasil e Itália.

Segundo o Instituto Nacional de Estatística (Istat), cerca de 7 milhões de italianas dizem já ter sofrido alguma forma de abuso verbal ou físico. Além disso, de acordo com a Polícia, 100 feminicídios já foram registrados na Itália em 2016.

No Brasil, a situação não é diferente. A Organização Mundial da Saúde (OMS) aponta que uma mulher é abusada sexualmente no país a cada 11 minutos. O caso de Pamela, uma italiana que trabalhava como garçonete em Morro de São Paulo, uniu essas duas realidades.

No momento, seu corpo está em Salvador, onde ainda aguarda a repatriação. A viagem para a Itália devia ter ocorrido nesta sexta-feira, mas acabou adiada, assim como seu funeral, que será em Ragusa, na Itália.

LEIA TAMBÉM:

- Faustão disse que 'mulher gosta de homem que dá porrada' e coletivos pedem retratação

- Estou interessada em você (mas não quer dizer que eu queira transar com você)

- Uma mulher de 34 anos vem sofrendo estupros coletivos há 4 anos no Rio. Em silêncio