ENTRETENIMENTO
23/11/2016 12:44 -02

Um filme sobre os homens na vida de Elis Regina

elis1

Desde que Andreia Horta apareceu de cabelos curtíssimos na primeira imagem de divulgação de Elis, as expectativas pelo filme tem sido bem altas. E não é para menos! Elis Regina é daquelas figuras que merecem ter sua história contada, especialmente pelo fato de não é justo ver o quanto a grandeza dela foi gradativamente empalidecida nas décadas que se seguiram à sua morte.

Essa mulher revolucionou a música brasileira. A Pimentinha não foi apenas grande em Águas de Março, Fascinação ou Como Nossos Pais, foi ela quem ousou extrapolar as diretrizes da bossa nova para dar início ao que hoje a gente chama de MPB. Muitos desconhecem esse dado e, felizmente, ele é contado na cinebiografia que chega aos cinemas na próxima quinta-feira (24).

É possível dizer que muita coisa é, de fato, contada ao espectador no filme. A linha narrativa é bem tradicional e começa com Elis e seu pai (Zecarlos Machado) chegando ao Rio de Janeiro no início dos anos 1960; depois mostra a temporada em que passou em São Paulo; o casamento com Ronaldo Bôscoli (Gustavo Machado) e a volta ao Rio; o divórcio seguido do segundo casamento – com César Camargo Mariano (Caco Ciocler) e por aí vai. Tudo linear, até chegar ao final que todos conhecemos.

elis3

A todo o momento, os diálogos são marcados por frases feitas que informam ao espectador que essa foi a maior cantora do Brasil. A necessidade de frisar isso chega a ser exaustiva. Também somos lembrados repetidamente que Elis era gaúcha – o que vem bem a calhar, uma vez que, segundo a interpretação de Andreia Horta, Elis já tinha adquirido o sotaque carioca antes mesmo de pisar no Rio de Janeiro pela primeira vez.

O festival de frases caricatas vai desde “Eu sou a maior e a menor cantora do Brasil” – ela tinha 1,53 metro – até “Agora eles vão ver o que é que a gaúcha tem”. Mesmo assim, detalhes chave da biografia de Elis foram deixados de fora. Tom Jobim sequer é mencionado, por exemplo, nem Rita Lee (cuja importância na vida de Elis deu origem ao nome de sua filha, Maria Rita).

Sabendo que a falta de Jobim e de Águas de Março é um questionamento unânime, o diretor Hugo Prata – que assina o roteiro com Luiz Bolognesi e Vera Egito – já explicou mais de uma vez que precisou cortar um monte de trechos do longa em nome da coerência narrativa e do chamado arco dramático. Segundo ele, pareceu mais oportuno focar o filme em passagens da vida íntima de Elis e mostrar os altos e baixos que levaram a estrela a uma morte tão precoce – aos 36 anos.

O problema é que a premissa não se sustenta. Por vezes o filme quer ensinar quem foi Elis, a-maior-cantora-do-Brasil, e noutros momentos quer focar em nuances intimistas da personagem. O que é absolutamente compreensível, só que o atropelo é muito perceptível – em especial no terceiro ato, em que o desfecho se desenrola sem qualquer aprofundamento e a overdose abrupta se mostra abrupta demais. Demais mesmo!

elis 2

Mas as caricaturas e os tropeços poderiam até ser perdoados, já que as passagens musicais emocionam, a reconstituição de época é visualmente impecável e a interpretação esforçada de Andreia mostra-se potente em diversos momentos – apesar de não ser um estrondo como Daniel de Oliveira em Cazuza – O Tempo Não Para. Acontece que a maior das gafes é extremamente significativa, pois a promessa do filme não se cumpre. E isso enfraquece a força de uma personagem que merecia ser melhor retratada. Elis é um filme com nome de mulher e deveria ser sobre a magnitude revolucionária dessa mulher, mas acaba sendo uma crônica sobre os homens que a cercavam.

Andreia Horta é basicamente a única personagem feminina em cena. Nara Leão (Isabel Wilker) aparece durante segundos, Maria Rita (ainda criança) também, e as outras mulheres não têm sequer nome ou falas. “Ele é o namorado do Rio de Janeiro inteiro”, diz uma fulana genérica quando Elis pergunta sobre a canalhice de Ronaldo Bôscoli. E isso é basicamente o tanto de interação que a protagonista tem com outra mulher no filme.

A ideia era mostrar o quanto Elis Regina foi cercada por homens e o quanto ela se sobrepunha a eles, segundo Hugo Prata e Andreia Horta. Mas era só a ideia mesmo, pois, lamentavelmente, não é isso que se vê na tela. A não ser pelo primeiro ato do filme, em que ela cala a boca do pai controlador e deixa a dupla Luís Carlos Miele (Lúcio Mauro Filho) e Ronaldo Bôscoli se perguntando “ué?” quando troca o Rio de Janeiro por São Paulo. É a famosa Pimentinha mostrando a que veio! Mas mostra pouco e a fúria marcante de Elis vai minguando para se transformar numa profunda dependência emocional.

O filme se esforça (muito!) em nos mostrar que Elis desprezava Bôscoli, o namorador charlatão. Só que tudo muda e a raiva vira paixão – o que de fato aconteceu, mas dificilmente a história real foi tão piegas quanto a que vemos na tela. Numa cena à la Nicholas Sparks, Bôscoli toca no rosto de Elis e dispara: “Você é uma mulher muito bonita. Será que nunca ninguém lhe falou o quanto você é bonita?” E boom! A mocinha percebe que ali nascia um grande amor. Essa cena também se preocupa em explicar que o cabelo icônico da cantora não foi uma ideia dela, mas sim, de Bôscoli.

elis 4

A partir daí, Elis é mostrada como uma esposa de olhinhos piscantes. Só que né, a infidelidade do marido não tarda dar as caras novamente, bem como um festival de atitudes arrogantes. E Elis esperneia, mas se submete por anos, até que pede o divórcio. E a redenção emocional se dá na figura de outro homem: César Camargo Mariano. Só faltou o cavalo branco!

Vale lembrar que, bem antes disso, o filme ensina ao espectador que Elis era uma garota quadradona e sem presença de palco, que mal movia o corpo ao cantar. Foi um homem chamado Lennie Dale (Júlio Andrade) que ensinou a ela como mexer o tronco e os braços nas apresentações. Lennie virou seu grande amigo, assim como Nelson Motta (Rodrigo Pandolfo), outro coadjuvante que aparece como um dos homens de Elis – e que, como o filme frisa, modernizou de maneira decisiva a sua musicalidade. Quer mais um personagem masculino no encalço da cantora? Jair Rodrigues (Ícaro Silva). E outro? Henfil (Bruce Gomlevsky), cartunista do Pasquim que crucificou a cantora após a emblemática apresentação nas Olimpíada do Exército, em 1972.

E é de Henfil a frase que, segundo Hugo Prata, foi uma espécie de fio condutor dessa história onde sempre há espaço para mais um homem (desde que ele não seja Tom Jobim): “Nós homens te matamos, mulher” (numa alusão à morte precoce de Elis, obviamente). Essa frase jamais é dita no filme, pois “não dá para dar tudo mastigadinho”, segundo o diretor.

Por fim, esse é um filme bastante mastigadinho, por mais que tente não ser. Mas, infelizmente, não cumpre a promessa de mostrar, à altura, a força revolucionária de sua personagem central. A sensação que fica é a de que Elis Regina foi uma mulher fraca de voz forte. Uma mulher cercada, impulsionada e esmagada pelos homens que choraram sua morte.

LEIA MAIS:

- 'Aquarius' é indicado ao Independent Spirit, principal prêmio de cinema independente dos EUA

- 'Barry': Trailer de filme da Netflix mostra jovem Barack Obama em busca de identidade (VÍDEO)