NOTÍCIAS
16/11/2016 11:25 -02

Pai mata filho por não aceitar participação de jovem em ocupações de escolas, diz polícia

Guilherme Silva Neto, de 20, estudante de matemática na Universidade Federal de Goiás, acabou morto pelo próprio pai no Setor Aeroporto, em Goiânia, nesta terça-feira (15).

De acordo com a Delegacia Estadual de Investigações de Homicídios, os dois teriam discutido porque o pai não queria que Guilherme fosse até uma ocupação e se opunha à participação do jovem em movimentos sociais. O crime aconteceu na Avenida República do Líbano.

"Eles tinham um conflito familiar. O pai não aceitava o envolvimento do filho em movimentos sociais", afirmou o delegado Hellyton de Carvalho, em entrevista ao G1.

Segundo o jornal O Popular, o estudante Guilherme era atuante nas ocupações escolares contra a "PEC do Teto", a PEC55, que limita os gastos públicos e está no Senado Federal.

De acordo com a Folha de S. Paulo, após uma discussão entre os dois, o pai de Guilherme deixou a casa para se acalmar. O jovem teria então dito que havia desistido de participar da ocupação da universidade.

O Estadão detalha ainda objeções do pai de Guilherme sobre a forma como o menino se veste:

Segundo relatos coletados pela Polícia Civil e incluídos no boletim de ocorrência, o autor do delito e pai da vítima "não concordava com o comportamento do filho que se vestia de forma alternativa, com coturnos, calça jeans com as barras para dentro, jaquetas jeans, colares, cabelo e barba grandes". O homem discordava ainda "do estilo revolucionário do qual (Guilherme) era integrante, participando de movimentos estudantis e de manifestações contrárias às medidas governamentais, como as invasões de colégios e prédios públicos".

Guilherme era o único filho do engenheiro Alexandre José da Silva Neto, de 60 anos, e de Rosália de Moura Rosa Silva, delegada aposentada da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam).

“A Universidade Federal de Goiás (UFG) lamenta o falecimento do jovem Guilherme Silva Neto, estudante de Matemática da Regional Goiânia, e presta condolências e solidariedade a seus familiares e amigos”, afirmou a universidade em nota.

Ainda de acordo com a Folha, os policiais encontraram uma máscara, uma barra de ferro e uma machadinha na mochila do estudante. A pistola 6.5 usada no crime e dois carregadores foram apreendidas pela polícia. Ainda de acordo com polícia, após tirar contra o filho, Alexandre se matou.

LEIA TAMBÉM:

- Consultor do Senado dá seis motivos para considerar a PEC do teto inconstitucional

- Para ministro da Educação, ocupações são 'instrumentalizadas' por PT, PCdoB e PSOL

-

Estudantes acusam TRE e governo de Minas de ameaças para forçar desocupação de escolas

- 'Escola ideal é a que forma cidadãos preocupados com o País', diz Ana Julia ao HuffPost