NOTÍCIAS

A Barb, de 'Stranger Things', deu um corajoso depoimento sobre automutilação

16/11/2016 10:29 -02 | Atualizado 16/11/2016 10:29 -02

shannon purser

Depressão, bipolaridade, ansiedade crônica – e tantos outros problemas de foro psicológico – trazem dor e sofrimento a milhares de pessoas, mas o assunto ainda é tabu. E falar sobre experiências pessoais é algo que exige muita coragem!

Não é fácil verbalizar a dor e tocar nas feridas, especialmente quando você ainda precisa enfrentar os preconceitos de rodeiam esse tema tão delicado.

A atriz Shannon Purser – a Barb, de Stranger Things – sabe bem disso, mas resolveu falar sobre sua experiência, a fim de passar uma mensagem de superação e otimismo a seus fãs. Em um post no Twitter, ela abriu o jogo sobre automutilação.

Junto à foto de uma lâmina, Shannon escreveu: “Faz anos que eu não me automutilo, mas eu eu guardei isso pensando ‘vai que eu precise’. Eu esqueci que isso ainda estava aqui e agora vai direto para o lixo.”


Logo depois, ela também tuitou: “A recuperação é possível. Por favor, não desista de si mesmo.”


Em resposta, muitos seguidores elogiaram sua coragem e agradeceram a ela por ter tocado nesse assunto tão delicado e tão sério, que causa sofrimento a inúmeras pessoas.

Quando ninguém fala sobre isso, parece que o problema praticamente não existe, o que é um erro grave! Nossa querida Barb mandou bem em chamar a atenção para o tema e mostrar que é possível virar a página.

Muito amor!

Caso você — ou alguém que você conheça — precise de ajuda, ligue 141, para o CVV - Centro de Valorização da Vida, ou acesse o site. O atendimento é gratuito, sigiloso e não é preciso se identificar. O movimento Conte Comigo oferece informações para lidar com a depressão. No exterior, consulte o site da Associação Internacional para Prevenção do Suicídio para acessar uma base de dados com redes de apoio disponíveis. O HuffPost Brasil possui também uma série de reportagens sobre a prevenção do suicídio e a importância de se falar a respeito.

Viver bem é o tipo de desejo tão universal que se tornou um direito. Mas não há fórmula ou mágica que o garanta, o que deixa, para cada um de nós, a difícil tarefa de descobrir e pavimentar o próprio caminho. A newsletter de Equilíbrio vai trazer a você textos e entrevistas sobre saúde mental, angústias, contradições e alegrias da vida. Assine aqui para receber novidades no fim de semana.

LEIA MAIS:

- Cyberbullying está ligado ao aumento dos casos de automutilação entre jovens

- Estatísticas chocantes revelam que uma em cada quatro mulheres jovens já se automutilou

- Automutilação aumenta entre homens após crise financeira, diz estudo