NOTÍCIAS

Japoneses consertam cratera imensa em apenas uma semana. São Paulo aguarda reparos desde 2013

15/11/2016 13:21 BRST | Atualizado 15/11/2016 13:21 BRST
NOVO! DESTAQUE E COMPARTILHE
Destaque o texto para compartilhar no Facebook e no Twitter
JIJI PRESS via Getty Images
This combo shows a photo of a giant sinkhole (R), measuring around 30 metres (98 feet) wide and 15 metres deep, which appeared in a five-lane street in the middle of the Japanese city of Fukuoka on November 8, 2016 and another photo (L) of the same section of road after repairs were made on November 15. The Japanese city on November 15 reopened the busy street that collapsed into a giant sinkhole, with efforts of crews who worked round the clock for a week drawing raves on social media. / AFP / JIJI PRESS / JIJI PRESS / Japan OUT (Photo credit should read JIJI PRESS/AFP/Getty Images)

Uma cratera de cerca de 300 metros quadrados que apareceu na última terça-feira (8) na região central da cidade de Fukuoka, no Japão, foi fechada nesta terça-feira (15), uma semana após o incidente. O buraco chegou a cerca de 20 metros de largura e 15 de comprimento.

De acordo com a agência de notícias Kyodo, foram finalizados reparos na tubulação de esgoto e nas linhas de telecomunicações e especialistas determinaram após um estudo que não há problemas de segurança na área.

O prefeito da cidade, Soichiro Takashima, disse que o solo agora está 30 vezes mais resistente que antes.

O pavimento começou a afundar em um cruzamento entre duas importantes avenidas em frente à maior estação ferroviária da cidade. Edifícios próximos foram interditados e mais de 100 residências ficaram sem energia elétrica.

As autoridades locais da quinta maior cidade do Japão, com 1,4 milhões de habitantes, suspeitam que o afundamento foi provocado pelas obras para a ampliação de uma linha de metrô.

Em São Paulo, uma cratera atrapalha o trânsito no cruzamento entre a Avenida Doutor Ricardo Jafet e a Rua Santa Cruz, na Zona Sul desde 2013. A prefeitura fez diversas obras no local, mas o problema persiste.

LEIA TAMBÉM

- iPhone 7 pode valer até cinco meses de aluguel no Brasil

- Distrito Federal vive pior crise hídrica em 30 anos e vai adotar racionamento

- 5 dicas de segurança para você não cair no 'golpe do Uber'